PUB

10 colaborações musicais intemporais entre Angola e Cabo Verde

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

As quezílias entre angolanos e cabo-verdianos não datam de hoje, têm um gancho na história colonial, mas são mais vezes apontadas de forma jocosa do que propriamente experienciadas. A prova é como ambas as culturas cruzam-se na música, na dança, na cultura e até na gastronomia.

Quanto à música, se entre a década de 1990 e 2000 era popular ouvir dizer que “o cabo-verdiano cantava e o angolano dançava”, nos anos 2010 os papéis inverteram-se, com os angolanos a invadir o mercado musical de hits dançados por todos os PALOP e não só. Atualmente, estamos numa fase de equilíbrio em que os sucessos são lançados por ambos e, nas pistas, tanto saímos de um ghetto zouk para encaixar uma kizomba ou um semba ou temos músicas colaborativas com os dois “sabores” africanos.

Nessa simbiose sonora, destacamos músicas entre os artistas dos dois países que acabaram por tornar-se em verdadeiros clássicos e que continuam a ser ouvidas onde quer que haja uma comunidade originária dos PALOP.

Nesta lista, passamos por Bonga e Cesária Évora, Tito Paris e Paulo Flores, até chegar à geração mais nova, como Nelson Freitas e C4 Pedro ou Loony Johnson e Landrick.

Clarice – Paulo Flores com Tito Paris

“Clarice” é de certeza um dos maiores sucessos na voz de Paulo Flores. A música é uma declaração de amor, cantada em português por Paulo e crioulo por Tito Paris, em que ambos “choram” por um amor que está distante. A morna foi lançada no álbum Recompasso de Paulo Flores, em 1999, no mesmo álbum onde saíram os sucessos “Poema do Semba” com a participação de Carlos Burity e “Angola Que Canta”.

Junta Ma Nós – Maya Cool e Grace Evora

“Junta Ma Nós” é uma das versões que abriram o milénio de 2000. Eternizada pelo angolano Maya Cool e pelo cabo-verdiano Grace Évora, a música é de certeza uma celebração entre ambos os povos, sendo que o clipe oficial da música faz jus à mensagem.

A música original de “Junta Ma Nós” foi lançada pela primeira vez em 1994 no álbum Di Oro. Boy Gé Mendes e Manu Lima, ambos membros do grupo Cabo Verde Show – autores do sucesso “Bo É Caboverdiana” – deram a voz à música que recentemente recebeu uma nova versão cantada na voz do angolano Gerilson Insrael.

Te Log Te Log – Dj Malvado Jr. com Leonel Almeida (Versão)

“Te Log, Te Log” é mais uma das músicas que ganhou uma versão nova nos últimos anos. Refeita pelo angolano Dj Malvado Jr. com a participação de Leonel Almeida, “Te Log Te Log”, foi lançada em 2014, sendo que a original é de autoria de Bana, um dos nomes maiores da música de Cabo Verde.

Bo Tem Mel – Nelson Freitas com C4 Pedro

“Bo Tem Mel” é uma das músicas de maior sucesso no mundo da kizomba lançadas na década de 2010. A música é cantada em inglês e crioulo pela voz de Nelson Freitas e conta com a participação de C4 Pedro, que também faz uma mistura entre o português e inglês.

“Bo Tem Mel” foi lançada em 2013 e faz parte do terceiro álbum de Nelson Freitas, o Elevate, do qual fazem parte os sucessos “Something Good”, “Certeza”, “Simple Girl”, “Rebound Chick”, “King Of The World” e outros.

Mulemba Xangola – Bonga com Lura

“Mulemba Angola” é um semba de Bonga com o feat da cabo-verdiana Lura. A música faz parte do álbum Mulemba Xangola, lançado em 2000, com o selo da Lusafrica.

Destino Di Belita – Dj Malvado com Yola Semedo (Versão)

Dj Malvado perpetuou o clássico da música africana e cabo-verdiana, o “Destino Di Belita”. Malvado escolheu a voz de Yola Semedo para dar vida à nova versão, e agora cantada em kizomba, tem uma presença forte da coladeira, o estilo que faz parte da música original de Cesária Évora.

Falta de mim – DreamBoyz com Nelson Freitas

DreamBoyz chamaram Nelson Freitas e decidiram criar uma dedicatória de amor musicalizada em kizomba. O sucesso cantado por Filemon Jr, Mallaryah e com o drop de Manda Chuva, foi lançado em 2018 e promoveu o álbum Segredos lançado no mesmo ano. O clipe foi gravado pela One Movie em Portugal.

Vou ser só teu – Loony Johnson com Landrick

“Vou ser só teu” é também um dos maiores sucessos da nova geração, lançado nos meados da década de 2010. O gueto zouk é do produtor cabo-verdiano Loony Johnson e conta com a voz de Landrick, que na altura estava a afirmar o seu nome dentro do mercado musical de Angola. “Vou ser só teu” tem o clipe gravado em Portugal por Wilsoldier, em colaboração com a One Movie. Atualmente a música tem mais de 12 milhões de visualizações no YouTube. A música faz parte do álbum Believe de Loony, lançado em 2016.

Mazuké – Pérola feat. Djodje

“Mazuké” é de Pérola e conta com a voz do “Sabboy” Djodje. A música foi lançada em 2015 e faz parte do álbum da cantora angolana, que recebe o título de Mais De Mim.

Bida Di Gossi – Ary (Versão)

“Bida Di Gossi” é mais uma versão da música de Cabo Verde cantada pela uma artista angolana Ary. A versão surge no estilo semba e conta com uma mão cheia de profissionais da música de Angola como Chico Viegas na produção, direção e arranjos; Joãozinho Morgado nas Congas; Betinho Feijó na guitarra; com acordes de Felisberto no cavaquinho e coro nas vozes de Carla Moreno e também de Felisberto. O clipe foi gravado em Portugal e conta com a aparição da atriz cabo-verdiana, vencedora de um Leopardo de Ouro em 2021 na categoria de Melhor Atriz, Vitalina Varela, sendo que este material foi realizado por Johel Almeida e tem a produção da Afro Digital.

“Bida Di Gossi” é uma coladera que tem letra e música original do grupo cabo-verdiano, Os Tubarões, cantado pelo vocalista Ildo Lobo.

Embora extinto, o grupo é considerado até aos dias de hoje como um dos maiores de Cabo Verde, por ter elevado a musicalidade crioula, sobretudo nos estilos morna, coladeira e funaná.

Subscreve a nossa newsletter e fica a par de tudo em primeira mão!

No Comment.

Artigos Relacionados

Véronique Tadjo

8,00 

PUB