Vidrul Fotografia: 4 artistas levam “Bué prá Frente” ao Espaço Luanda Arte

Bué Prá Frente é o título da Exposição Colectiva dos quatro artistas angolanos João Monteiro, Diana Cassinda, Rui Magalhães e Amilton Serrano, enquadrados na quinta edição da Vidrul Fotografia, a inaugurar quinta-feira, dia 7 de Abril, às 19h no Espaço Luanda Arte (ELA). É a primeira exposição no programa para 2016 desta nova galeria.

“Os primeiros passos para a frente (na Vidrul Fotografia) foram dados nas primeiras exposições da Vidrul Fotografia. Esses passos ajudaram-nos a entender mais sobre a identidade da fotografia angolana no século 21. Nesta quinta edição, a Vidrul Fotografia convidou quatro fotógrafos angolanos a dar um passo Bué Prá Frente na fotografia angolana, usando trabalhos que os mesmos consideram obras instigantes de arte e que nos ajudam a reflectir sobre o poder da fotografia no dia-a-dia do angolano, seja na relação familiar, religiosa, ficcional, ou restos dos sentimentos do dia a dia numa cidade que reconstrui-se à volta de vários problemas sócias”, indica o comunicado enviado à redacção.

As fotos foram selecionadas para que os visitantes possam explorar as mudanças extraordinárias que os fotógrafos tentam (re)criar para entrarmos no século 21 com fotografias Bué Prá Frente. Uma criação de novas imagens, sentimentos, misturas e estórias que exigem a critica do visitante para se conseguir evoluir, reinventar e renascer nas próximas exposições de fotografia. A exposição reflecte, com a missão da Vidrul Fotografia em promover uma maior compreensão e apreciação das implicações artísticas, evolucionárias, sociais e culturais das imagens no mundo de hoje, desafiando os críticos a procurar por clichés e inovação na apresentação da Fotografia Angolana.

Equipa BANTUMEN
Equipa BANTUMEN
A BANTUMEN é um magazine eletrónico em português, com conteúdos próprios, que procura refletir a atualidade da cultura urbana da Lusofonia, com enfoque nos PALOP e na sua diáspora.

Deixa-nos a tua opinião

Artigos Relacionados
A escritora e primeira romancista moçambicana Paulina Chiziane sagrou-se vencedora da 33ª edição do maior prémio da literatura portuguesa, designada "Camões". Oito anos depois, o prémio, avaliado em 100 mil euros, volta a Moçambique.
Este ano, o evento corporizou uma forma de disseminar oportunidades junto de jovens negros e introduziu, assim, uma verdadeira mudança de paradigma no setor têxtil português. Foram vários os talentos africanos que pisaram a passerele. A locomotiva que deu origem a este acontecimento foi a parceria realizada entre o Lulubell Group, a African Export-Import Bank e a ANJE (National Association of Young Entrepreneurs).
Foi há mais de um ano que a longa-metragem sobre o assassinato de Alcindo Monteiro, ocorrido há 26 anos, começou a ser rodada. A película estreia-se finalmente no próximo domingo, 24, às 19h, na Sala Manoel de Oliveira do Cinema São Jorge. O filme faz parte da programação do DocLisboa.