elida almeida

Élida Almeida vence prémio revelação em Paris

Élida Almeida, cantora cabo-verdiana, foi distinguida em Paris com o prémio internacional “Découvertes RFI” [Revelação Rádio Francesa Internacional], que distingue sobretudo artistas francófonos.

A distinção é assinalada com a “abertura deste prémio” além francofonia, disse a presidente do júri Oumou Sangaré.

Natural da ilha de Santiago, Elida Almeida, tem 22 anos, canta em crioulo e recorre frequentemente para as suas composições aos ritmos tradicionais cabo-verdianos como o batuque, a morna ou o funaná.

O seu primeiro disco “Ora Doci Ora Margos” (Ora doce, ora amargo) tem a chancela da Lusafrica, editora de Joe da Silva, que lançou Cesária Évora.

De acordo com o júri, Elida Almeida faz parte de uma nova geração de artistas cabo-verdianos que conseguem “atravessar fronteiras e conquistar o mundo, tendo sido distinguida pelo seu profissionalismo e presença em palco”.

“Ela emana muita energia em palco, é qualquer coisa de muito forte”, considerou Blick Bassi, outro elemento do júri, considerando que esta é uma importante caraterística para construir uma carreira a longo prazo.

elida almeida rfi
@Jacqueline Mpii

A artista cabo-verdiana, que estava nomeada com as músicas “Nta konsigui” e “Lebam ku bo”, conquistou o prémio a que concorriam outros 13 artistas africanos: Asden e Liz (Congo), Banlieuzart (Guiné-Conacri), Darline Desca (Haiti), Dioba (Mauritânia), Elinam (Togo), Joey le Soldat e Kantala (Burkina Faso), Mao Sidibé (Senegal), Mélodji (Chade), Mija (Madagáscar), Sanzy Viani (Camarões) e Woodsound (Benin).

Como vencedora, Elida Almeida vai ganhar 10 mil euros, e viagens em África e para França, para promoção do seu trabalho.

O artista cabo-verdiano, Tcheka, foi o vencedor deste prémio em 2005.

Fonte: Lusa
Equipa BANTUMEN
Equipa BANTUMEN
A BANTUMEN é um magazine eletrónico em português, com conteúdos próprios, que procura refletir a atualidade da cultura urbana da Lusofonia, com enfoque nos PALOP e na sua diáspora.

Deixa-nos a tua opinião

Artigos Relacionados
Com sete anos de carreira, Boy Lundy carrega consigo o sonho de influenciar novas vozes, trabalhar na música de forma profissional, mostrado que é possível criar sustento e viver da arte e enriquecer a arte moçambicana, assim como o movimento hip-hop.
Da Soul acabou de levar o seu último álbum, Liberdade de Expressão, à loja FNAC de Almada, com uma apresentação ao vivo e sessão de venda e autógrafos. O projeto foi lançado em agosto, estando disponível em lojas físicas FNAC e através das plataformas de streaming de áudio.
Já está a acontecer a Feira Internacional de Negócios da Moda, no Palácio de Ferro, na baixa de Luanda. A cerimónia de abertura começou com uma mesa redonda, com a participação de nomes já bem conhecidos da indústria fashion angolana, como Rose Palhares e a escritora e consultora de imagem Marleyh Selo. A moderação foi feita pela apresentadora Dinamene Cruz.