Mos Def de volta ao tribunal na Cidade do Cabo

O artista americano Yasiin Bey, conhecido como Mos Def, estará de volta à barra do tribunal de Bellville, na Cidade do Cabo, esta quinta-feira por supostamente infringir as leis de imigração da África do Sul.

Bey, nascido Dante Terrell Smith, foi preso em Fevereiro, depois de ter tentado deixar a Cidade do Cabo com um desconhecido “passaporte do mundo”.

“Ele entrou África do Sul dez vezes e sempre com um visto de visitante [90 dias de isenção] usando um passaporte dos EUA, não um passaporte mundo”, disse à imprensa o director-geral dos Assuntos Internos do país, Mkuseli Apleni.

A última entrada do rapper  no passaporte de um visitante em 30 de novembro de 2015. Ele deveria expirar em 28 de fevereiro de 2016. Ele tentou sair SA em janeiro usando outro documento, e não o seu passaporte dos EUA, com a qual ele tinha entrado inicialmente.

A intenção de Mos Def abandonar o país com o passaporte bizarro foi barrada pelos funcionários do aeroporto, tendo o rapper alegado que já tinha sido capaz de entrar e sair do país com aquele documento.

O Governo Mundial de Cidadãos do Mundo, associação criada por um ex-actor que pretende criar um “mundo global, cujo registo mais importante é a venda de passaportes “do mundo“, diz que o tal documento representa o direito humano inalienável de liberdade de viajar no planeta Terra.

https://www.worldservice.org

No site da organização há uma lista com os países que aceitaram o documento no passado e a África do Sul é um desses países.

No entanto, os Assuntos Internos refutam essa alegação e que os documentos de viagem legais são os reconhecidos pela ONU, União Africano, Comunidade de Desenvolvimento Africano Sul e Banco Africano de Desenvolvimento.

Equipa BANTUMEN
Equipa BANTUMEN
A BANTUMEN é um magazine eletrónico em português, com conteúdos próprios, que procura refletir a atualidade da cultura urbana da Lusofonia, com enfoque nos PALOP e na sua diáspora.

Deixa-nos a tua opinião

Artigos Relacionados
A escritora e primeira romancista moçambicana Paulina Chiziane sagrou-se vencedora da 33ª edição do maior prémio da literatura portuguesa, designada "Camões". Oito anos depois, o prémio, avaliado em 100 mil euros, volta a Moçambique.
Este ano, o evento corporizou uma forma de disseminar oportunidades junto de jovens negros e introduziu, assim, uma verdadeira mudança de paradigma no setor têxtil português. Foram vários os talentos africanos que pisaram a passerele. A locomotiva que deu origem a este acontecimento foi a parceria realizada entre o Lulubell Group, a African Export-Import Bank e a ANJE (National Association of Young Entrepreneurs).
Foi há mais de um ano que a longa-metragem sobre o assassinato de Alcindo Monteiro, ocorrido há 26 anos, começou a ser rodada. A película estreia-se finalmente no próximo domingo, 24, às 19h, na Sala Manoel de Oliveira do Cinema São Jorge. O filme faz parte da programação do DocLisboa.