Globaile, o último concerto dos Buraka e o início de um festival de música electrónica

Lisboa vai receber no dia 1 de Julho o último concerto dos Buraka Som Sistema, que vai fechar um ciclo de dez anos de trabalho.

Com entrada gratuita, o evento vai acontecer no Jardim da Torre de Belém e este será o primeiro do Festival Globaile, organizado pela banda, que vai juntar o sangue novo da música electrónica.

O Globaile é uma parceria entre os Buraka Som Sistema, a EGEAC (Empresa de Gestão de Equipamentos e Animação Cultural) e Câmara Municipal de Lisboa.

Organizado em dois palcos (IC19 e Komba), vão actuar, além dos Buraka, os djs portugueses Kking Kong e Dotorado Pro, o colectivo sul-africano Batuk, os peruanos Dengue Dengue Dengue, o brasileiro MC Bin Laden.

O espaço vai ter ainda um local dedicado a food trucks, com sabores globais trazidos especialmente para o Globaile e uma exposição das dez melhores fotografias destes dez anos de carreira da banda que se tornou num fenómeno musical cultural.

Cartaz:

PALCO IC19
17h – Kking Kong
18h – Batuk
19h – Dotorado Pro

PALCO KOMBA
20h – Dengue Dengue Dengue
21h – MC Bin Laden
22h – Buraka Som Sistema

Equipa BANTUMEN
Equipa BANTUMEN
A BANTUMEN é um magazine eletrónico em português, com conteúdos próprios, que procura refletir a atualidade da cultura urbana da Lusofonia, com enfoque nos PALOP e na sua diáspora.

Deixa-nos a tua opinião

Artigos Relacionados
Mas como interagir com alguém que fala um idioma que desconhecemos? Danny Manu, um britânico de origem ganesa, criou a solução. Os Clik by Mymanu são uns fones de ouvido, sem fios, que podem traduzir vários idiomas automaticamente.
Este ano, a artista celebra 25 anos de carreira e mostra a fibra de que é feita, eclética, surpreendente e a transbordar musicalidade. Para assinalar a data, temos "Bla Bla Bla", uma música que marca um ponto de viragem na sua carreira, seja a nível sonoro como visual.
Em conversa com a BANTUMEN, Rubem Gomes, um dos fundadores da Associação Vegetariana Angolana, explicou que a decisão de criar a associação partiu do "sentimento de compaixão para com todos os seres", acreditando que os seres humanos ainda podem fazer do mundo um lugar melhor, enquanto existir respeito sobre os outros elementos da natureza.