Trabalhar em Full-Time depois dos 40 pode ser mau para o teu cérebro

Finalmente a ciência começou a apoiar a ideia de que uma semana de trabalho a 40 horas por dia, além de ser uma semana demasiadamente longa, é prejudicial para o teu cérebro.

Na Suécia, as empresas já começaram a mudar rotinas, ao introduzir cargas de trabalho de apenas seis horas, sem qualquer penalização no vencimento.

Na Austrália há quem defenda que quem tem mais de 40 anos deveria trabalhar muito menos horas, isto para bem da sua saúde.

Para poder tirar a prova dos nove, investigadores testaram 6500 australianos (3000 homens e 3500 mulheres) para ver qual o efeito das horas de trabalho na forma como os seus cérebros funcionam. Os participantes foram testados em três categorias – memória, leitura e perceção – e depois, esses resultados foram comparados com o número de horas que trabalham por semana.

Os resultados pareceram dizer que os participantes eram mais capazes mentalmente quando haviam trabalhado o equivalente a uma semana de três dias, e que o seu funcionamento cognitivo sofria um declínio após as 25 horas.

É interessante notar que esta pesquisa não sugere que se deva relaxar e não fazer nada após os 40, já que trabalhar menos de 25 horas semanais também teria um efeito negativo.

Office Space: That's My Stapler

“Para o funcionamento cognitivo, trabalhar demais é pior do que não trabalhar. No início, o trabalho estimula as células cerebrais. O stress associado ao trabalho acaba por aparecer, a nível físico ou psicológico, em determinada altura, e isso afecta os ganhos que obténs do trabalho,” disse Colin McKenzie, da Keio University do Japão, ao Sydney Morning Herald.

Uma possível razão para o declínio após os 25 anos é a falta de sono adequado e o aumento dos níveis de stress que as semanas de trabalho mais longas trazem, mas é preciso mais investigação para determinar qual será a duração ideal da semana de trabalho. Também ainda falta perceber se o mesmo efeito se faz notar entre os mais jovens.

Equipa BANTUMEN
Equipa BANTUMEN
A BANTUMEN é um magazine eletrónico em português, com conteúdos próprios, que procura refletir a atualidade da cultura urbana da Lusofonia, com enfoque nos PALOP e na sua diáspora.

Deixa-nos a tua opinião

Artigos Relacionados
A escritora e primeira romancista moçambicana Paulina Chiziane sagrou-se vencedora da 33ª edição do maior prémio da literatura portuguesa, designada "Camões". Oito anos depois, o prémio, avaliado em 100 mil euros, volta a Moçambique.
Este ano, o evento corporizou uma forma de disseminar oportunidades junto de jovens negros e introduziu, assim, uma verdadeira mudança de paradigma no setor têxtil português. Foram vários os talentos africanos que pisaram a passerele. A locomotiva que deu origem a este acontecimento foi a parceria realizada entre o Lulubell Group, a African Export-Import Bank e a ANJE (National Association of Young Entrepreneurs).
Foi há mais de um ano que a longa-metragem sobre o assassinato de Alcindo Monteiro, ocorrido há 26 anos, começou a ser rodada. A película estreia-se finalmente no próximo domingo, 24, às 19h, na Sala Manoel de Oliveira do Cinema São Jorge. O filme faz parte da programação do DocLisboa.