Julius Yego, de atirador de paus a lançador do dardo olímpico

Se és bom a desempenhar uma determinada actividade mas não consegues avançar por falta de meios ou equipamentos, tens de conhecer a incrível história de Julius Yego.

Julius nasceu no Quénia e desde sempre teve um sonho: ser lançador do dardo. Numa aldeia (Cheptonon) onde, para ir à escola, tinha de percorrer mais de cinco quilómetros e descalço, desprovida de electricidade, carros, estradas ou qualquer sinal de desenvolvimento, este poderia não ter sido mais do que apenas isso mesmo, um sonho. No entanto, contrariando todas as possibilidades disponíveis, Julius começou a treinar na escola primária com paus afiados, feitos a partir de árvores que ele próprio desbastava.

Mesmo não tendo no país um treinador da modalidade, o atleta nunca pensou em desistir. Num vídeo, que se tornou viral nos últimos dias, Julius conta como conseguiu continuar a treinar e a melhorar a sua técnica: “Não desisti. Lembrei-me que poderia ver vídeos no YouTube. Ia até ao cybercafé e ficava a ver os lançadores do dardo, para ver o que faziam nos seus treinos e fazia o mesmo no dia seguinte.”

Guiado por esses vídeos, a sua carreira foi catapultada para o sucesso. Julius venceu os All African Games em 2011 e 2012, com o score de 81.81m conseguiu chegar às finais das Olimpíadas de 2012, a primeira vez para um atleta do Quénia e o único africano nessa edição.

No campeonato do mundo, em 2015, Yego conseguiu uns fantásticos 92 metros, que lhe concederam a medalha de ouro.

No seu país não lhe poderiam ter dado melhor alcunha: “The YouTube Man”.

No próximo dia 17, vamos poder assistir ao primeiro lançamento de Julius no Rio 2016.

Equipa BANTUMEN
Equipa BANTUMEN
A BANTUMEN é um magazine eletrónico em português, com conteúdos próprios, que procura refletir a atualidade da cultura urbana da Lusofonia, com enfoque nos PALOP e na sua diáspora.

Deixa-nos a tua opinião

Artigos Relacionados
A escritora e primeira romancista moçambicana Paulina Chiziane sagrou-se vencedora da 33ª edição do maior prémio da literatura portuguesa, designada "Camões". Oito anos depois, o prémio, avaliado em 100 mil euros, volta a Moçambique.
Este ano, o evento corporizou uma forma de disseminar oportunidades junto de jovens negros e introduziu, assim, uma verdadeira mudança de paradigma no setor têxtil português. Foram vários os talentos africanos que pisaram a passerele. A locomotiva que deu origem a este acontecimento foi a parceria realizada entre o Lulubell Group, a African Export-Import Bank e a ANJE (National Association of Young Entrepreneurs).
Foi há mais de um ano que a longa-metragem sobre o assassinato de Alcindo Monteiro, ocorrido há 26 anos, começou a ser rodada. A película estreia-se finalmente no próximo domingo, 24, às 19h, na Sala Manoel de Oliveira do Cinema São Jorge. O filme faz parte da programação do DocLisboa.