Nástio Mosquito vai estar no MOMA 

Nástio Mosquito é um dos artistas mais mulifacetados de Angola. Num universo que engloba a música, vídeo, instalações e poesia, o artista foi convidado a expor a sua arte num dos museus mais importantes e influentes do mundo, o Museu de Arte Moderna (MOMA), em Nova Iorque, EUA.

Para abordar a história do colonialismo em Angola, o artista vai levar ao MOMA o Projects 104: Nástio Mosquito, que compreende o novo trabalho Respectable Thief, que reflecte o acto e efeitos de apropriação para construir identidade, manter relações e ganhar poder.

Com elementos de texto, visuais e sonoros, a obra vai estar exposta de 23 de Setembro a 30 de Outubro, e vai combinar com uma actuação única no dia 23, no Roy and Niuta Titus Theaters.

A exposição foi organizada por Cara Menes, curador assistente do Departamento de Pintura e Escultura.

De realçar que, Nástio vai ainda lançar digitalmente o seu segundo álbum, Gatuno e Elmigrante & Pai de Família, no dia 15 deste mês, obra sucessora de Se Eu Fosse Angolano, de 2013.

Com 10 faixas, cujos vídeos foram gravados em Luanda, este novo álbum é “em simultâneo, um segundo capítulo do anterior, ao mesmo tempo que foi também uma possibilidade de explorar e fazer de outra maneira”, disse ao Ípsilon.

“A forma concisa como gravámos é reflexo de um novo processo de aprendizagem, mas também existem linhas de continuidade, ao nível sonoro e não só, porque volto a focar as questões da identidade, até pelo facto de ter voltado a viver na Europa e de estar mais exposto aos problemas do Ocidente,” citou o jornal online.

Equipa BANTUMEN
Equipa BANTUMEN
A BANTUMEN é um magazine eletrónico em português, com conteúdos próprios, que procura refletir a atualidade da cultura urbana da Lusofonia, com enfoque nos PALOP e na sua diáspora.

Deixa-nos a tua opinião

Artigos Relacionados
A escritora e primeira romancista moçambicana Paulina Chiziane sagrou-se vencedora da 33ª edição do maior prémio da literatura portuguesa, designada "Camões". Oito anos depois, o prémio, avaliado em 100 mil euros, volta a Moçambique.
Este ano, o evento corporizou uma forma de disseminar oportunidades junto de jovens negros e introduziu, assim, uma verdadeira mudança de paradigma no setor têxtil português. Foram vários os talentos africanos que pisaram a passerele. A locomotiva que deu origem a este acontecimento foi a parceria realizada entre o Lulubell Group, a African Export-Import Bank e a ANJE (National Association of Young Entrepreneurs).
Foi há mais de um ano que a longa-metragem sobre o assassinato de Alcindo Monteiro, ocorrido há 26 anos, começou a ser rodada. A película estreia-se finalmente no próximo domingo, 24, às 19h, na Sala Manoel de Oliveira do Cinema São Jorge. O filme faz parte da programação do DocLisboa.