Jay Z explica em filme animado por que a guerra contra as drogas é um falhanço épico

Jay Z e o New York Times acabam de lançar uma curta animada sobre a guerra contra as drogas, que o rapper considera um falhanço épico.

Apesar de ser uma figura pública que raramente dá a sua opinião sobre política e questões sociais, Jay Z tem cada vez mais se mostrado mais activo em passar a mensagem de desequilíbrio social e justiça que se vive nos Estados Unidos. Neste pequeno filme de quatro minutos, Jay é o narrador que conta como começou essa guerra contra as drogas e o impacto que tem na comunidade branca e não branca.

Os Estados Unidos têm uma das taxas de encarceramento mais elevadas do mundo, deixando bem atrás países considerados opressores como Russia, Cuba ou Irão. “45 anos depois de Nixon ter apelado a esta guerra, em 1971, está na hora de repensar a nossa política e leis”, diz o narrador, que acrescenta: “a guerra contra as drogas é um falhanço épico”.

Equipa BANTUMEN
Equipa BANTUMEN
A BANTUMEN é um magazine eletrónico em português, com conteúdos próprios, que procura refletir a atualidade da cultura urbana da Lusofonia, com enfoque nos PALOP e na sua diáspora.

Deixa-nos a tua opinião

Artigos Relacionados
A escritora e primeira romancista moçambicana Paulina Chiziane sagrou-se vencedora da 33ª edição do maior prémio da literatura portuguesa, designada "Camões". Oito anos depois, o prémio, avaliado em 100 mil euros, volta a Moçambique.
Este ano, o evento corporizou uma forma de disseminar oportunidades junto de jovens negros e introduziu, assim, uma verdadeira mudança de paradigma no setor têxtil português. Foram vários os talentos africanos que pisaram a passerele. A locomotiva que deu origem a este acontecimento foi a parceria realizada entre o Lulubell Group, a African Export-Import Bank e a ANJE (National Association of Young Entrepreneurs).
Foi há mais de um ano que a longa-metragem sobre o assassinato de Alcindo Monteiro, ocorrido há 26 anos, começou a ser rodada. A película estreia-se finalmente no próximo domingo, 24, às 19h, na Sala Manoel de Oliveira do Cinema São Jorge. O filme faz parte da programação do DocLisboa.