O fim de “Once Upon a Time” de Piera na voz de Girinha

Piera Moreau encerrou esta sexta-feira a sua exposição Once Upon a Time entre amigos, fãs da sua arte e rap consciente entre recordações de Bob Marley na voz de Girinha.

Já aqui tínhamos dito que, a exposição de Piera é uma viagem à descoberta de novas cores. Cada quadro é a representação de um sonho, de um rosto ou de uma ideia que surge no dia-a-dia de Piera, ilustrados através de novas figuras e sombras, como se se tratasse de inspiração que brota do imaginário de uma criança, numa linha lógica e pura.

O fim desta exposição que esteve durante um mês no espaço cultural do Braço de Prata, em Lisboa, aconteceu entre umas dezenas de amigos e artistas de artes várias.

Girinha deu um mini-concerto intimista do mais alto nível, onde as letras podiam ser renovadas de improviso, a cerveja gelada afava a garganta seca e no palco subiram convidados de última hora, para cantar, declamar poesia em kimbundu – língua angolana – e ainda houve tempo para troca de agradecimentos entre a rapper e a artista plástica sobre a oportunidade de juntar as suas artes.

 

Equipa BANTUMEN
Equipa BANTUMEN
A BANTUMEN é um magazine eletrónico em português, com conteúdos próprios, que procura refletir a atualidade da cultura urbana da Lusofonia, com enfoque nos PALOP e na sua diáspora.

Deixa-nos a tua opinião

Artigos Relacionados
A escritora e primeira romancista moçambicana Paulina Chiziane sagrou-se vencedora da 33ª edição do maior prémio da literatura portuguesa, designada "Camões". Oito anos depois, o prémio, avaliado em 100 mil euros, volta a Moçambique.
Este ano, o evento corporizou uma forma de disseminar oportunidades junto de jovens negros e introduziu, assim, uma verdadeira mudança de paradigma no setor têxtil português. Foram vários os talentos africanos que pisaram a passerele. A locomotiva que deu origem a este acontecimento foi a parceria realizada entre o Lulubell Group, a African Export-Import Bank e a ANJE (National Association of Young Entrepreneurs).
Foi há mais de um ano que a longa-metragem sobre o assassinato de Alcindo Monteiro, ocorrido há 26 anos, começou a ser rodada. A película estreia-se finalmente no próximo domingo, 24, às 19h, na Sala Manoel de Oliveira do Cinema São Jorge. O filme faz parte da programação do DocLisboa.