Por que continuas a transpirar mesmo depois de usar desodorizante

Aplicar o desodorizante é um gesto que repetes todos os dias e que, aparentemente, não precisa de grande sabedoria, certo?

No entanto, se mesmo utilizando o produto diariamente continuas a transpirar demasiado, então é porque, efectivamente, alguma coisa não está bem. Mark Malek, cirurgião plástico explica-nos, em entrevista à Mens Health, como fazer.

Desodorizante e antitranspirante são produtos diferentes. Se queres apenas eliminar o mau cheiro, então o recomendado é o desodorizante. Se transpiras muito, talvez seja melhor optares pelo antitranspirante, que contém alumínio para bloquear as glândulas que produzem suor.

O normal é tomares banho de manhã e aplicares logo o desodorizante, certo? Esta pode não ser a forma mais correcta. De noite é a melhor altura do dia para aplicar porque não estás a transpirar tanto.

Se não estás a ter o resultado pretendido, pode ser também porque não estás a aplicar o suficiente. No caso dos antitranspirantes, por vezes basta uma fina camada para não transpirar tanto, mas se queres evitar mesmo transpirar em situações de stress, por exemplo, deves aplicar uma camada generosa de produto.

Se tiveres comichão nas axilas, há a possibilidade de teres pele sensível, alergias ou eczema e deves evitar os desodorizantes perfumados porque deixam a pele irritada.

Usar o mesmo produto durante anos também pode não ser uma boa opção, porque as glândulas sudoríparas podem ter-se habituado ao desodorizante. Portanto, se notas que estás a transpirar bastante ou a cheirar a suor e ainda o dia vai a meio, provavelmente deves mudar de desodorizante.

Equipa BANTUMEN
Equipa BANTUMEN
A BANTUMEN é um magazine eletrónico em português, com conteúdos próprios, que procura refletir a atualidade da cultura urbana da Lusofonia, com enfoque nos PALOP e na sua diáspora.

Deixa-nos a tua opinião

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Artigos Relacionados
Elzo Sénior lançou "Glorioso" nesta sexta-feira, single que ficou de fora de Swahililândia Acto 1, de 2020, o álbum de estreia do grupo Swahil. Para esta aventura, o produtor contou com a participação de Damani Van Dunem, Teknik, Leonardo Freezy e CFKAPPA.
O projeto é uma viagem de 19 temas a um estado de espírito focado na concretização dos seus desejos mais magnânimos. Mind Frames representa a luta que envolveu o processo de produção deste projeto, que inclui as vitórias, derrotas, a aprendizagem e o mind set.