MAAT em Lisboa cruza a inovação com a cultura

Lisboa tem um novo espaço dedicado às Artes e Design. O Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia (MAAT) está situado em Belém e nasceu pela mão da Fundação EDP. Tem como objectivo apresentar exposições nacionais e internacionais da autoria de artistas, arquitectos e pensadores contemporâneos. O espaço do antigo Museu de Eletricidade incorpora espaços novos como a Central 1 e a Central 2, e espaços antigos como a Sala das Caldeiras e a Sala do Cinzeiro 8.

O MAAT é uma nova aposta na capital portuguesa, que contém um espaço de debate e de pensamento crítico. O museu foi aberto ao público com uma nova programação no dia 30 de Junho deste ano, mas foi dia 5 de Outubro que se estreou este novo edifício. O atelier de arquitectura de Amanda Levete esteve encarregue deste projecto que custou 19 milhões de euros. O edifício conta com quatro salas, a Oval, Galeria Principal, Project Room e a Vídeo Room. Em exposição, uma obra da artista francesa Dominique Gonzalez-Foerster criada apenas para este museu.


“Este museu vai ter um perfil diferente dos outros que já existem na cidade, pela combinação de arte com tecnologia”, afirmou o director do MAAT, Pedro Gadanho, ao Observador. E, acrescentou ainda: “É um museu com perfil internacional que combina a apresentação de artistas portugueses.”

A diversidade de programas e espaços culturais tornam-no num local de referência cultural do país e um destino a visitar para qualquer pessoa.

Equipa BANTUMEN
Equipa BANTUMEN
A BANTUMEN é um magazine eletrónico em português, com conteúdos próprios, que procura refletir a atualidade da cultura urbana da Lusofonia, com enfoque nos PALOP e na sua diáspora.

Deixa-nos a tua opinião

Artigos Relacionados
A escritora e primeira romancista moçambicana Paulina Chiziane sagrou-se vencedora da 33ª edição do maior prémio da literatura portuguesa, designada "Camões". Oito anos depois, o prémio, avaliado em 100 mil euros, volta a Moçambique.
Este ano, o evento corporizou uma forma de disseminar oportunidades junto de jovens negros e introduziu, assim, uma verdadeira mudança de paradigma no setor têxtil português. Foram vários os talentos africanos que pisaram a passerele. A locomotiva que deu origem a este acontecimento foi a parceria realizada entre o Lulubell Group, a African Export-Import Bank e a ANJE (National Association of Young Entrepreneurs).
Foi há mais de um ano que a longa-metragem sobre o assassinato de Alcindo Monteiro, ocorrido há 26 anos, começou a ser rodada. A película estreia-se finalmente no próximo domingo, 24, às 19h, na Sala Manoel de Oliveira do Cinema São Jorge. O filme faz parte da programação do DocLisboa.