Fábio Teixeira: a fotografia que deixou de ser um passatempo

Fábio Teixeira é um fotógrafo conhecido no mundo na música urbana lisboeta, mas foi no cinema que começou por nutrir o gosto pela fotografia. Em entrevista à BANTUMEN, o fotógrafo falou do começo da carreira, do amor pelo cinema e do amor que tem pela música.

No inicio, a paixão pelo cinema nasce pelo fascínio pelos planos de enquadramento das imagens, pela forma como a magia acontece e como tudo é feito. A fotografia que na altura era só um passatempo, tornou-se um assunto sério. Cultivado pelo grupo de amigas, que constantemente queriam recordações, ou tirar uma fotografia aqui ou ali, motivo que levou Fábio Teixeira a comprar uma máquina e a investir na sua paixão.

Mais tarde, começou a trabalhar directamente com o MC Ary, nos eventos Rolézinho, a fazer videos e fotografias do grupo. O fotógrafo admitiu que foi a partir desse momento, que todas as portas se abriram. A junção de dois dos seus amores, a fotografia e música, fazem hoje parte da sua vida.

Sabe mais sobre o Fábio Teixeira, um fotógrafo que está a dar carta tanto no mundo da música como da moda, no vídeo abaixo e para descobrires um pouco mais sobre o seu trabalho podes clicar aqui.

Equipa BANTUMEN
Equipa BANTUMEN
A BANTUMEN é um magazine eletrónico em português, com conteúdos próprios, que procura refletir a atualidade da cultura urbana da Lusofonia, com enfoque nos PALOP e na sua diáspora.

Deixa-nos a tua opinião

Artigos Relacionados
A escritora e primeira romancista moçambicana Paulina Chiziane sagrou-se vencedora da 33ª edição do maior prémio da literatura portuguesa, designada "Camões". Oito anos depois, o prémio, avaliado em 100 mil euros, volta a Moçambique.
Este ano, o evento corporizou uma forma de disseminar oportunidades junto de jovens negros e introduziu, assim, uma verdadeira mudança de paradigma no setor têxtil português. Foram vários os talentos africanos que pisaram a passerele. A locomotiva que deu origem a este acontecimento foi a parceria realizada entre o Lulubell Group, a African Export-Import Bank e a ANJE (National Association of Young Entrepreneurs).
Foi há mais de um ano que a longa-metragem sobre o assassinato de Alcindo Monteiro, ocorrido há 26 anos, começou a ser rodada. A película estreia-se finalmente no próximo domingo, 24, às 19h, na Sala Manoel de Oliveira do Cinema São Jorge. O filme faz parte da programação do DocLisboa.