“African Prince”, a master piece de Kaysha

Kaysha acaba de lançar o álbum African Prince, que o próprio intitula como a sua master piece. O projecto é composto por 40 músicas, que reúnem 25 participações e produtores de vários cantos do mundo.  “É um álbum para viajar, é um universo. Não tem nada a ver com ninguém, nem com modas, porque não gosto de seguir modas. Sou um trendsetter“.

Há algum tempo que o produtor, cantor e empresário não lançava um projecto porque, de acordo com as suas palavras, tudo o saiu entretanto a nível de Kizomba é a mesma coisa. “Fiquei muito tempo sem fazer música porque senti que cheguei a uma altura em que não precisava mais de fazer kizomba e comecei a fazer novas coisas. Fiquei à espera de novas inspirações, porque tudo o que ouvia na rádio e o que estava a sair era tudo a mesma coisa. Seja aqui em Portugal ou em França, estão todos num mesmo patamar. E senti que precisava de fazer algo novo, porque sempre fui um artista que segue em frente e que tenta fazer músicas e conceitos novos”, disse à BANTUMEN.

A produção foi feita no seu estúdio, na Atlantic Studio, em Oeiras, e em várias partes do mundo como  Nova Iorque, Costa do Marfim, Angola, Brasil, França. “Um pouco por todo o lado do mundo porque tenho muitas participações de vários artistas e beatmakers de todas as partes do mundo. É um álbum feito graças à Internet.”

Quanto aos produtores, “são alguns génios com quem tive a horna de trabalhar, como Boddhi Satva, Dorivaldo Mix, entre outros e Kaysha claro”.

As participações revelam nomes bem firmados na indústria musical internacional como C4 Pedro, Vanda Mae, Nelson Freitas, Fala Ipupa, AC Jordan, Lynsha, Afro Warriors e muito mais.

Os estilos deste African Prince viajam pelo Zouk, Kizomba, Urban Keys, Trap, RnB, entre outros. “São 40 músicas. É um projecto enorme, é a minha master piece. Não sei se vou voltar a fazer um álbum assim, mas precisava mesmo de fazer um projecto assim, 40 músicas mas de alta qualidade, porque todo o mundo agora só faz um single e depois desaparece. Eu queria mostrar que é possível fazer um projecto destes”, afirmou.

Nos próximos seis meses, Kaysha vai promover o álbum exclusivamente via Internet. “Vão ser seis meses intensivos, depois disso vou fazer videoclipes.” O artista explicou-nos que vão ser três anos a gravar videoclipes, cerca de 20, que já têm uma ideia visual construída pelo próprio. A produção dos mesmos vai estar na íntegra a cargo de Kaysha.

Equipa BANTUMEN
Equipa BANTUMEN
A BANTUMEN é um magazine eletrónico em português, com conteúdos próprios, que procura refletir a atualidade da cultura urbana da Lusofonia, com enfoque nos PALOP e na sua diáspora.

Deixa-nos a tua opinião

Artigos Relacionados
A escritora e primeira romancista moçambicana Paulina Chiziane sagrou-se vencedora da 33ª edição do maior prémio da literatura portuguesa, designada "Camões". Oito anos depois, o prémio, avaliado em 100 mil euros, volta a Moçambique.
Este ano, o evento corporizou uma forma de disseminar oportunidades junto de jovens negros e introduziu, assim, uma verdadeira mudança de paradigma no setor têxtil português. Foram vários os talentos africanos que pisaram a passerele. A locomotiva que deu origem a este acontecimento foi a parceria realizada entre o Lulubell Group, a African Export-Import Bank e a ANJE (National Association of Young Entrepreneurs).
Foi há mais de um ano que a longa-metragem sobre o assassinato de Alcindo Monteiro, ocorrido há 26 anos, começou a ser rodada. A película estreia-se finalmente no próximo domingo, 24, às 19h, na Sala Manoel de Oliveira do Cinema São Jorge. O filme faz parte da programação do DocLisboa.