Netflix no Festival de Cannes não agradou ao cinema francês

“Okja”, de Bong Joon Ho, e “The Meyerowitz Stories”, de Noah Baumbach, dois filmes originais da Netflix, irão competir no festival pela Palma de Ouro e estreiam-se este ano em exclusivo nesta plataforma.

A FNCF, citada pela agência de notícias EFE, referiu não questionar a liberdade de programação do “primeiro festival de cinema do mundo”, nem que novos actores internacionais contribuam para o desenvolvimento e o financiamento de novas obras cinematográficas, mas levantou dúvidas sobre a sua difusão.

O organismo sublinha que, caso os filmes de Cannes se opusessem à regulamentação em vigor e fossem exibidos de forma simultânea na Internet e em salas de cinema, poderiam estar sujeitos a sanções por parte do Centro Nacional de Cinematografia.

“O que acontecerá se amanhã não forem projectados em salas, questionando assim a sua natureza de obra cinematográfica?”, questionou a Federação.

A FNCF sublinha que, além de tudo, a Netflix encerrou recentemente os seus escritórios em França e que “há anos se esquiva à lei francesa e às regras fiscais”, que “permitem a existência da maioria dos filmes franceses e estrangeiros da selecção oficial” do festival de Cannes.

“A lógica financeira e de comunicação que impulsiona este operador não deveria ser ignorada pelo festival”, referiu o organismo, que pediu um esclarecimento rápido para que se confirme se os filmes em causa serão projectados em salas de cinema, “respeitando a regulamentação em vigor”.

A programação do festival – marcado de 17 a 28 de Maio – foi anunciada na quinta-feira pelo delegado geral, Thierry Frémaux, que sublinhou a diversidade de filmes selecionados, para uma edição que celebra 70 anos.

A Netflix anunciou, num comunicado divulgado também na quinta-feira, que os filmes “Okja” e “The Meyerowitz Stories” “estão programados para estrear mundialmente durante a competição, na 70.ª Edição do Festival de Cannes”.

De acordo com a plataforma, “The Meyerowitz Stories (New and Selected)”, escrito e realizado por Noah Baumbach, é protagonizado por Adam Sandler, Ben Stiller, Dustin Hoffman, Elizabeth Marvel, Grace Van Patten e Emma Thompson e “assenta numa história intergeracional, na qual irmãos adultos argumentam contra a influência de um pai envelhecido”.

“Okja”, de Bong Joon Ho, protagonizado por Tilda Swinton, Jake Gyllenhaal, Paul Dano, Giancarlo Esposito, Steven Yeun, Lily Collins, Devon Bostick, Daniel Henshall, Shirley Henderson, Hee Bong Byun, Je Moon Yoon, Woo Sik Choi e An Seo Hyun, “relata a história de uma jovem (An Seo Hyun), que se vê obrigada a arriscar tudo para evitar que uma poderosa multinacional rapte a sua melhor amiga – um enorme animal chamado Okja”.

Equipa BANTUMEN
Equipa BANTUMEN
A BANTUMEN é um magazine eletrónico em português, com conteúdos próprios, que procura refletir a atualidade da cultura urbana da Lusofonia, com enfoque nos PALOP e na sua diáspora.

Deixa-nos a tua opinião

Artigos Relacionados
A escritora e primeira romancista moçambicana Paulina Chiziane sagrou-se vencedora da 33ª edição do maior prémio da literatura portuguesa, designada "Camões". Oito anos depois, o prémio, avaliado em 100 mil euros, volta a Moçambique.
Este ano, o evento corporizou uma forma de disseminar oportunidades junto de jovens negros e introduziu, assim, uma verdadeira mudança de paradigma no setor têxtil português. Foram vários os talentos africanos que pisaram a passerele. A locomotiva que deu origem a este acontecimento foi a parceria realizada entre o Lulubell Group, a African Export-Import Bank e a ANJE (National Association of Young Entrepreneurs).
Foi há mais de um ano que a longa-metragem sobre o assassinato de Alcindo Monteiro, ocorrido há 26 anos, começou a ser rodada. A película estreia-se finalmente no próximo domingo, 24, às 19h, na Sala Manoel de Oliveira do Cinema São Jorge. O filme faz parte da programação do DocLisboa.