“Lucy Lucy” é novo single de Plutónio

O rapper da Bridgetown, Plutónio, não tem feito paragens. Ao longo de seis meses tem lançado singles atrás de singles, o que deixa os fãs satisfeitos e com vontade de pedir mais. E de repente, sem um pré-aviso, Plutónio lançou um novo single, “Lucy Lucy”.

“Tava no meu prédio a beber whiskey desde as seis/ Lucy Lucy liga pa saber onde eu andei/ Hoje não fiz a cama mas vê bem o que arrumei”

Trecho de “Lucy Lucy”
Ver esta publicação no Instagram

Novo video “Lucy Lucy” amanhã às 11h no YouTube 👩🏻

Uma publicação partilhada por Plutonio (@plutonio2765) a

O que leste acima dá inicio ao novo tema de Plutónio, que veio para pegar fogo, literalmente. No videoclipe vêem-se carros em chamas e passa-se em vários locais entre Portugal e Angola, tais como: Bairro da Cruz Vermelha (Portugal), Bairro do Aleixo (Portugal), Bairro do Cazenga (Angola), Bairro Operário (Angola).

“Lucy Lucy” teve a produção de Dj Dadda, misturado e masterizado por André Tavares e foi gravado pelo Whagone na Bridgetown Studio – Bridgetown Records, o videoclipe ficou a cargo da Pluma.

Faz play acima para veres “Lucy Lucy”.

Equipa BANTUMEN
Equipa BANTUMEN
A BANTUMEN é um magazine eletrónico em português, com conteúdos próprios, que procura refletir a atualidade da cultura urbana da Lusofonia, com enfoque nos PALOP e na sua diáspora.

Deixa-nos a tua opinião

Artigos Relacionados
Mas como interagir com alguém que fala um idioma que desconhecemos? Danny Manu, um britânico de origem ganesa, criou a solução. Os Clik by Mymanu são uns fones de ouvido, sem fios, que podem traduzir vários idiomas automaticamente.
Este ano, a artista celebra 25 anos de carreira e mostra a fibra de que é feita, eclética, surpreendente e a transbordar musicalidade. Para assinalar a data, temos "Bla Bla Bla", uma música que marca um ponto de viragem na sua carreira, seja a nível sonoro como visual.
Em conversa com a BANTUMEN, Rubem Gomes, um dos fundadores da Associação Vegetariana Angolana, explicou que a decisão de criar a associação partiu do "sentimento de compaixão para com todos os seres", acreditando que os seres humanos ainda podem fazer do mundo um lugar melhor, enquanto existir respeito sobre os outros elementos da natureza.