Holly Hood - Some
Holly Hood - Some

“Some” reaviva o Dred Que Matou Golias

Para quem achava que o Dred Que Matou Golias estava adormecido, enganou-se. Holly Hood está mais acordado que nunca e é a prova disso o novo tema que acabou de lançar.

“Some” teve a produção do próprio rapper e o Mix e Master é de Here’s Johnny. O single antecede a segunda parte do seu novo álbum, Sangue Ruim, que conta com temas já lançados como “Ignorante”, “Cala a Boca” e “Miúda”.

Ver esta publicação no Instagram

“Some” já disponível no YouTube.

Uma publicação partilhada por Holly Hood (@odreadquematougolias) a

O novo single foi lançado sem qualquer tipo de aviso, o que deixou os seus seguidores e fãs desnorteados, como se pode ler nos comentários no Instagram e no canal de YouTube do artista.

E as surpresas não se ficam por aí. Outro “gigante” da Linha da Azambuja, a meio da música começa a cuspir como se o amanhã não existisse e o futuro já estivesse traçado no rap português. GSon, sim, o membro dos Wet Bed Gang. Uma colaboração que ninguém estava à espera mas que está a queimar as colunas de quem ouve.

A Linha da Azambuja está no mapa, está “no critério, e a dar matéria”, como se pode ouvir em “Some”.

Equipa BANTUMEN
Equipa BANTUMEN
A BANTUMEN é um magazine eletrónico em português, com conteúdos próprios, que procura refletir a atualidade da cultura urbana da Lusofonia, com enfoque nos PALOP e na sua diáspora.

Deixa-nos a tua opinião

Artigos Relacionados
Mas como interagir com alguém que fala um idioma que desconhecemos? Danny Manu, um britânico de origem ganesa, criou a solução. Os Clik by Mymanu são uns fones de ouvido, sem fios, que podem traduzir vários idiomas automaticamente.
Este ano, a artista celebra 25 anos de carreira e mostra a fibra de que é feita, eclética, surpreendente e a transbordar musicalidade. Para assinalar a data, temos "Bla Bla Bla", uma música que marca um ponto de viragem na sua carreira, seja a nível sonoro como visual.
Em conversa com a BANTUMEN, Rubem Gomes, um dos fundadores da Associação Vegetariana Angolana, explicou que a decisão de criar a associação partiu do "sentimento de compaixão para com todos os seres", acreditando que os seres humanos ainda podem fazer do mundo um lugar melhor, enquanto existir respeito sobre os outros elementos da natureza.