FIFA 21 remove festejos para combater toxicidade

A EA Sports, a divisão da Electronic Arts que desenvolve e publica jogos eletrónicos de desporto, decidiu combater a toxicidade na série FIFA e começa por remover alguns dos mais irritantes festejos do FIFA 21.

Segundo revelado pela empresa, os festejos “Shush” e “A-OK” foram removidos do jogo FIFA 21 e estão mais mudanças a caminho, de forma a reduzir o nível de festejos que podem ser considerados de mau gosto.

Os festejos são uma forma de provocar o adversário pois eles são obrigados a assistir a tudo e no calor do momento, especialmente quando sentes que um golo foi injusto, é apenas ainda mais irritante.

A celebração na qual o jogador manda calar os adversários é vista como uma das mais irritantes pois é das mais longas e provocadoras, forçando o jogador que sofreu o golo a assistir à provocação.

O gesto “A-OK” espalhou-se pelas redes sociais e foram partilhadas inúmeras tentativas de fãs que o tentavam imitar, algo que incentivou a EA Sports a colocá-lo em FIFA 20.

No entanto, a companhia parece ter sentido que não é adequado para o seu jogo, mas ainda não explicou o porquê desta decisão pois o festejo não é visto pela comunidade como tóxico.

Poderá estar relacionado com a actual situação nos Estados Unidos e a luta por igualdade e justiça, algo que afectou Modern Warfare e incentivou a Infinity Ward a remover o gesto OK do seu jogo.

A EA anunciou ainda que removeu a cinemática após um jogo, na qual os jogadores caminham para o centro do campo.

A companhia também afinou o FIFA 21 para reduzir os momentos nos quais podes queimar tempo, seja em livres ou grandes penalidades, reduzindo o tempo que tens para marcar lances de bola parada.

Algumas cenas não vão surgir para que a partida online seja mais dinâmica, portanto, não esperes ver o guarda-redes a caminhar para dar o pontapé de baliza ou ver o jogador a caminhar para ir buscar a bola e lançá-la.

A capa da edição 21 do simulador de futebol EA Sports FIFA exibe o jogador do Paris Saint-Germain Kylian Mbappé em grande destaque.

A série FIFA foi inaugurada pela EA no início dos anos 90, conquistando de imediato o mercado das consolas ao longo da geração dos 16-bit graças à enorme popularidade do futebol e familiaridade do título homónimo da “Fédération Internationale de Football Association”.

As capas das diferentes edições seguiram num visual standard sóbrio e rapidamente identificável onde imperava o branco em contraste com os diferentes atletas. O design começou a apresentar-se mais arrojado a partir de 2006, mas nunca houve uma capa de FIFA como a deste ano com Kylian Mbappé.

Relembramos-te que a BANTUMEN disponibiliza todo o tipo de conteúdos multimédia, através de várias plataformas online. Podes ouvir os nossos podcasts através do Soundcloud, Itunes ou Spotify e as entrevistas vídeo estão disponíveis através do nosso canal de YouTube.

Sabias que com a tua contribuição podes ajudar a BANTUMEN a crescer? O nosso objetivo é criar uma narrativa de empoderamento da comunidade negra lusófona e tu podes fazer parte deste processo. Inscreve-te no Patreon e faz a tua parte! Lembra-te da filosofia Ubuntu: “eu sou porque nós somos”.

Equipa BANTUMEN
Equipa BANTUMEN
A BANTUMEN é um magazine eletrónico em português, com conteúdos próprios, que procura refletir a atualidade da cultura urbana da Lusofonia, com enfoque nos PALOP e na sua diáspora.

Deixa-nos a tua opinião

Artigos Relacionados
Mas como interagir com alguém que fala um idioma que desconhecemos? Danny Manu, um britânico de origem ganesa, criou a solução. Os Clik by Mymanu são uns fones de ouvido, sem fios, que podem traduzir vários idiomas automaticamente.
Este ano, a artista celebra 25 anos de carreira e mostra a fibra de que é feita, eclética, surpreendente e a transbordar musicalidade. Para assinalar a data, temos "Bla Bla Bla", uma música que marca um ponto de viragem na sua carreira, seja a nível sonoro como visual.
Em conversa com a BANTUMEN, Rubem Gomes, um dos fundadores da Associação Vegetariana Angolana, explicou que a decisão de criar a associação partiu do "sentimento de compaixão para com todos os seres", acreditando que os seres humanos ainda podem fazer do mundo um lugar melhor, enquanto existir respeito sobre os outros elementos da natureza.