Ricky Man e Djodje mostram o que é ser “Preto” com orgulho

Numa altura em que a luta contra o racismo tem se tornado muito mais intensa, Ricky Man e Djodje surgem com um single com uma letra diferente daquilo que têm apresentado ao seu público.

Intitulada “Preto”, a música de Ricky e Djodje é um grito de empoderamento com uma mensagem forte contra os racistas: “Eu já me calei, agora vão me ouvir. Posso até tremer mas não vou cair. A tua opinião dá me vontade de rir.

“Não me venham com as vossas teorias. Estou farto de hipocrisia. Falar de supremacia provoca-me azia. O teu ego vem do medo o meu ego não tem medo. Revelado o teu segredo: ignorância e preconceito. Já me levantei do chão. Bate o pé e levanta a mão”. Estas são algumas das frases chave da música cantadas entre Ricky e Djodje.

O objetivo de “Preto” é consciencializar e valorizar os negros, homenageando também “todos aqueles que lutaram e lutam pela causa”, acrescentando que os autores e artistas envolvidos no projeto não tiveram a intenção de criar qualquer tipo de controvérsia ou sentimento de ódio nos seus espectadores, pode-se ler num comentário da Broda Music ao vídeo no YouTube.

“O racismo existe sim e a melhor forma de combater este mal é falar sobre o assunto de uma forma consciente e com amor ao próximo”, concluiu a label.

O videoclipe da música mostra trechos de imagens de manifestações feitas em Lisboa e também de figuras históricas na luta antirracista, como Nelson Mandela.

A música tem a letra de Ricky Man, Djodje, Gerson Marta, Mário Marta e Kady Araújo, sendo a mesma produzida por Zala, misturada e masterizada por Pedro Villas.

O vídeoclipe foi realizado por Wilsoldiers, recebendo uma produção de Jussara Sprencer.

Relembramos-te que a BANTUMEN disponibiliza todo o tipo de conteúdos multimédia, através de várias plataformas online. Podes ouvir os nossos podcasts através do Soundcloud, Itunes ou Spotify e as entrevistas vídeo estão disponíveis através do nosso canal de YouTube.

Bruno Dinis
Bruno Dinis
Carrego a cultura kimbundu nas minhas veias. Angolanidade está presente a cada palavra proferida por mim. Sou apologista de que a conversa pode mudar o mundo pois a guerra surgiu também de uma. O conhecimento gera libertação e libertação gera paz mental, por tanto, não seja recluso da ignorância.

Deixa-nos a tua opinião

Artigos Relacionados
Mas como interagir com alguém que fala um idioma que desconhecemos? Danny Manu, um britânico de origem ganesa, criou a solução. Os Clik by Mymanu são uns fones de ouvido, sem fios, que podem traduzir vários idiomas automaticamente.
Este ano, a artista celebra 25 anos de carreira e mostra a fibra de que é feita, eclética, surpreendente e a transbordar musicalidade. Para assinalar a data, temos "Bla Bla Bla", uma música que marca um ponto de viragem na sua carreira, seja a nível sonoro como visual.
Em conversa com a BANTUMEN, Rubem Gomes, um dos fundadores da Associação Vegetariana Angolana, explicou que a decisão de criar a associação partiu do "sentimento de compaixão para com todos os seres", acreditando que os seres humanos ainda podem fazer do mundo um lugar melhor, enquanto existir respeito sobre os outros elementos da natureza.