Prodígio e Paulo Flores lançam “Fome” e anunciam data de edição do álbum colaborativo

Com vídeo produzido pela Envolve, “Fome” é o segundo single promocional do álbum A Benção e a Maldição, do projeto Esperança, que tem data de lançamento marcada para dia 6 de novembro.

Depois de terem lançado o primeiro single, “Nzambi”, o projeto Esperança está assim de volta com mais um novo som. “Fome”. O single, que é uma antevisão do álbum A Bênção e a Maldição, é uma chamada de atenção para um flagelo social: a miséria.

Segundo o cantor Paulo Flores, o single fala de um “grito de dor e revolta numa abordagem nua e crua sobre a ultrajante miséria, gente que vive na cara da fome, aonde a própria fome sente vergonha de o ser”.

Gravada em terras angolanas através das lentes da Envolve, o vídeo tem a direção artística de Renata Torres, produção de Phil e fotografia por Krisnano Santos.

Na produção musical, temos o beatbox de Boper, os dedos mágicos de Manecas Costa, masterização e mistura de Sassá e Ivo Costa (Estúdio Pimenta Negra). A captação foi feita na Silva Estúdios e a letra é de Paulo Flores e Prodígio.

Bruno Dinis
Bruno Dinis
Carrego a cultura kimbundu nas minhas veias. Angolanidade está presente a cada palavra proferida por mim. Sou apologista de que a conversa pode mudar o mundo pois a guerra surgiu também de uma. O conhecimento gera libertação e libertação gera paz mental, por tanto, não seja recluso da ignorância.

Deixa-nos a tua opinião

Artigos Relacionados
Mas como interagir com alguém que fala um idioma que desconhecemos? Danny Manu, um britânico de origem ganesa, criou a solução. Os Clik by Mymanu são uns fones de ouvido, sem fios, que podem traduzir vários idiomas automaticamente.
Este ano, a artista celebra 25 anos de carreira e mostra a fibra de que é feita, eclética, surpreendente e a transbordar musicalidade. Para assinalar a data, temos "Bla Bla Bla", uma música que marca um ponto de viragem na sua carreira, seja a nível sonoro como visual.
Em conversa com a BANTUMEN, Rubem Gomes, um dos fundadores da Associação Vegetariana Angolana, explicou que a decisão de criar a associação partiu do "sentimento de compaixão para com todos os seres", acreditando que os seres humanos ainda podem fazer do mundo um lugar melhor, enquanto existir respeito sobre os outros elementos da natureza.