Marina Alyssa Correia
Marina Alyssa Correia | DR

Marina Correia, a primeira campeã negra de longboard dancing

Marina Alyssa Correia é uma jovem de 23 anos, de origens cabo-verdianas e brasileiras, e que acaba de criar um rebuliço no mundo dos desportos radicais. Correia acaba de ser declarada campeã mundial de longboard dancing – uma combinação de passos de dança e figuras em cima de uma prancha maior que a de um skate clássico -, durante um evento em França, organizado pela France Telévisions, à margem da semana do desporto feminino.

Marina nasceu em Cabo Verde (mãe igualmente nascida no arquipélago e pai no Brasil) e aos 14 anos emigrou para França com os pais.

Longboard dancing “diria que é uma mistura entre surf e skate, com o lado da dança”, explica . Na competição, vários critérios são levados em consideração como velocidade, execução, equilíbrio, fluidez, com um denominador comum, o prazer de rider.

Numa área muitas vezes associada à imagem do “rapaz branco com ares da Califórnia”, Marina quer aproveitar a sua popularidade para acabar com esses clichês.

Contudo, parece que nem sempre as coisas saem como pretendido. Depois da sua vitória, Marina fez um post no Twitter, para celebrar o facto de ser a primeira campeã negra da modalidade, e recebeu vários comentários condescendentes e racistas que denotam a sua cor negra “demasiado clara”. “Sou mestiça pelas minhas origens cabo-verdiana e brasileira, e sou negra, de pais negros, de família negra ”, sentiu-se obrigada a justificar depois de ver cair a onda de ódio.

“Explicaram-me que estava a ser criticada por estar a promover a minha identidade para me abrir caminho, o que é totalmente falso”, disse. “Quero lá saber da cor da pele, sexo ou qualquer outra coisa. Foi apenas uma mensagem de esperança para pessoas apaixonadas e especialmente para as mulheres que estão sub-representadas nesta disciplina”, afirmou a jovem.

Contudo, o blacklash serviu para os meios de comunicação, sobretudo franceses, interessarem-se pela história da jovem e da modalidade longboard dancing, que ainda tem pouca expressão.

Marina reforça ainda que, não é uma modalidade criminosa praticada por jovens marginalizados que só estão á procura de de emoções fortes e de adrenalina. É um espaço de liberdade no qual se pode florescer”. 

Marina Alyssa Correia é atualmente aluna universitária no curso de Letras, fala cinco línguas (francês, inglês, português, crioulo cabo-verdiano e espanhol) e pretende ter uma vida profissional para além da modalidade em que foi distinguida.

“Quero desenvolver parcerias com estruturas que trabalham com crianças em hospitais, refugiados e de forma mais geral, jovens. “Já tive a oportunidade de fazer isso com o MJC, em Nice. A ideia não é necessariamente dar-lhes aulas, mas sim conselhos, para que sejam colocados à prova ou mesmo que vejam como este desporto serve para trazer um pouco de alegria.”

Relembramos-te que a BANTUMEN disponibiliza todo o tipo de conteúdos multimédia, através de várias plataformas online. Podes ouvir os nossos podcasts através do Soundcloud, Itunes ou Spotify e as entrevistas vídeo estão disponíveis através do nosso canal de YouTube.

Podes sugerir correções ou assuntos que gostarias de ler, ver ou ouvir na BANTUMEN através do email redacao@bantumen.com.

Maria Barbosa
Maria Barbosa
Irrequieta, consciente e com muita sede de aprender! Encontrei na liberdade criativa da BANTUMEN uma das minhas mais valiosas oportunidades de mudar o mundo.

Deixa-nos a tua opinião

Artigos Relacionados
Com sete anos de carreira, Boy Lundy carrega consigo o sonho de influenciar novas vozes, trabalhar na música de forma profissional, mostrado que é possível criar sustento e viver da arte e enriquecer a arte moçambicana, assim como o movimento hip-hop.
Da Soul acabou de levar o seu último álbum, Liberdade de Expressão, à loja FNAC de Almada, com uma apresentação ao vivo e sessão de venda e autógrafos. O projeto foi lançado em agosto, estando disponível em lojas físicas FNAC e através das plataformas de streaming de áudio.
Já está a acontecer a Feira Internacional de Negócios da Moda, no Palácio de Ferro, na baixa de Luanda. A cerimónia de abertura começou com uma mesa redonda, com a participação de nomes já bem conhecidos da indústria fashion angolana, como Rose Palhares e a escritora e consultora de imagem Marleyh Selo. A moderação foi feita pela apresentadora Dinamene Cruz.