CHAN 2021

CHAN, a decorrer nos Camarões, com 1 ano de atraso devido à pandemia

África tem estado no centro do mundo desportivo neste mês de janeiro. Depois de ter organizado o Campeonato do Mundo de Andebol Masculino (a decorrer no Egipto), iniciou-se também o Campeonato das Nações Africanas (CHAN).

Inicialmente, este campeonato estava agendado para abril de 2020, no entanto, a questão pandémica da COVID-19 forçou o seu adiamento. A competição começou no dia 16 de janeiro e termina a 7 de fevereiro de 2021, sendo os Camarões o país anfitrião.

Este torneio consiste numa prova de seleções nacionais, organizada pela Confederação Africana de Futebol, de dois em dois anos. É uma competição relativamente recente, que vai na sua sexta edição. 

O CHAN, à partida, poderá ser confundido, pelos menos informados, com a competição mais antiga de futebol masculino africano, conhecida como Taça das Nações Africanas (CAN) que, por norma, também acontece no decorrer do mês de janeiro. 

Com início em 2009, esta competição envolve a participação de 16 equipas, divididas por quatro grupos de quatro equipas. Nesta edição, as seleções que se qualificaram foram: Grupo A – Mali, Camarões, Burkina Faso e Zimbabué; Grupo B – República Democrática do Congo, Congo, Níger e Líbia; Grupo C – Marrocos, Ruanda, Togo e Uganda; Grupo D – Guiné Conacri, Zâmbia, Tanzânia e Namíbia. Uma pequena nota, para o facto de não se registar a presença de nenhuma seleção dos PALOP, (apesar de já terem participado em edições anteriores), assim como, outras seleções bem cotadas, como o Egipto (sete vezes campeão da CAN) ou a Argélia (atual campeã da CAN). Os únicos países que conseguiram, até agora, erguer a taça, foram a República Democrática do Congo (por duas vezes), Líbia, Tunísia e Marrocos (atual campeão em título).

Em suma, o CHAN assume especial destaque, pois trata-se de uma competição com um carácter muito particular, tendo em conta que só os jogadores que disputam os campeonatos africanos é que podem participar nesta prova, representando as suas respetivas seleções nacionais. Esta regra visa claramente a promoção e projeção do jogador africano, dando oportunidade, não só aos jogadores dos campeonatos nacionais de cada país, como aos próprios países menos cotados, de participarem numa competição com projeção a nível mundial.

Para já, podemos destacar três dos melhores marcadores, Soufiane Rahimi (24 anos, joga por Marrocos, na posição de avançado), Salomon Bangá (25 anos, joga pelos Camarões, na posição de defesa) e Amede Masasi (29 anos, joga pelo R.D. Congo, na posição de defesa).

As seleções dos Camarões e Mali (Grupo A) são as primeiras apuradas para os quartos de final. No Grupo B qualificaram-se a República Democrática do Congo e o Congo. Já no Grupo C, as equipas apuradas são Marrocos e Ruanda, ficando por conhecer os dois apurados do Grupo D.

Relembramos-te que a BANTUMEN disponibiliza todo o tipo de conteúdos multimédia, através de várias plataformas online. Podes ouvir os nossos podcasts através do Soundcloud, Itunes ou Spotify e as entrevistas vídeo estão disponíveis através do nosso canal de YouTube.

Podes sugerir correções ou assuntos que gostarias de ler, ver ou ouvir na BANTUMEN através do email redacao@bantumen.com.

Maria Barbosa
Maria Barbosa
Irrequieta, consciente e com muita sede de aprender! Encontrei na liberdade criativa da BANTUMEN uma das minhas mais valiosas oportunidades de mudar o mundo.

Deixa-nos a tua opinião

Artigos Relacionados
Com sete anos de carreira, Boy Lundy carrega consigo o sonho de influenciar novas vozes, trabalhar na música de forma profissional, mostrado que é possível criar sustento e viver da arte e enriquecer a arte moçambicana, assim como o movimento hip-hop.
Da Soul acabou de levar o seu último álbum, Liberdade de Expressão, à loja FNAC de Almada, com uma apresentação ao vivo e sessão de venda e autógrafos. O projeto foi lançado em agosto, estando disponível em lojas físicas FNAC e através das plataformas de streaming de áudio.
Já está a acontecer a Feira Internacional de Negócios da Moda, no Palácio de Ferro, na baixa de Luanda. A cerimónia de abertura começou com uma mesa redonda, com a participação de nomes já bem conhecidos da indústria fashion angolana, como Rose Palhares e a escritora e consultora de imagem Marleyh Selo. A moderação foi feita pela apresentadora Dinamene Cruz.