Spotify Cabo Verde

Rapaz 100 Juiz acreditam que chegada do Spotify a Cabo Verde vai ajudar a combater pirataria

Já não é novidade. O Spotify, plataforma de streaming de música e podcasts, chegou a África. Agora presente nos cinco países africanos que falam português (Angola, Cabo Verde, Guine Bissau, Moçambique e São Tomé e Príncipe), a BANTUMEN quis perceber o que os artistas nacionais acham da chegada deste que pode ser um novo trunfo financeiro para as suas carreiras.

Em Cabo Verde falámos com a cantora de morna, Cremilda Medina e a dupla Rapaz 100 Juiz, que acham muito positivo ter finalmente uma plataforma de streaming musical na terra de Cesária Évora e nos países de língua oficial portuguesa.

“É sempre bom termos novas formas de podermos chegar às pessoas e o Spotify é sem dúvida mais uma dessas formas. Daí entender que seja mais uma excelente via de termos acesso a um mundo de músicas. Com o acesso ao Spotify desde Cabo Verde, os nossos artistas têm assim mais uma montra para mostrar e vender a sua música dentro do seu próprio país, o que faz com que a indústria musical cabo-verdiana tenha aqui mais um caminho para ir ao encontro do seu público. E acho que terá uma boa adesão principalmente junto da camada mais jovem que hoje em dia está muito ligada às novas tecnologias. Com mais esta plataforma, acabam por ter uma forma mais rápida e direta de aceder a uma variedade de músicas”, explicou Cremilda Medina.

Questionámos também os Rapaz 100 Juiz sobre como vêem a chegada deste tipo de plataformas ao mercado cabo-verdiano. “Primeiramente, vai ajudar a sensibilizar artistas nacionais a distribuir excelentes produtos musicais que temos em Cabo Verde. Vai dar início a um trabalho árduo de também sensibilizar o público cabo-verdiano que é preciso combater a pirataria da música que agora é feita digitalmente e consequentemente vai ser uma fonte de rendimento para artistas nacionais, principalmente neste momento tão apertado. Vai ser muito bom ver o público a ouvir músicas nas plataformas rentáveis para os artistas em vez de apenas baixarem a música gratuitamente na Internet. À medida que as pessoas vão usando o Spotify aqui, com certeza que vai criar uma dinâmica muito interessante na indústria musical em Cabo Verde, transformadora até.

A dupla concluiu ainda que “de imediato não vamos ter uma adesão em massa , por causa do preço da internet em Cabo Verde, acho que é preciso muita negociação nomeadamente com as operadoras de telecomunicações no país. Mas quando tudo isso acontecer, o sector musical vai sair a ganhar e consequentemente a economia do país. Porque como dizemos Cabo Verde é o país da música”.

De recordar que, no final de 2020, o Spotify tinha 345 milhões de utilizadores ativos, incluindo 155 milhões com subscrição paga, números que fazem com que seja, de longe, a plataforma de música líder a nível mundial.

Ao criares a tua conta de forma fácil e gratuita, aproveita para seguir a playlist Rádio BANTUMEN abaixo, onde reunimos as melhores músicas do cenário lusófono urbano com uma atualização todas as sextas-feiras.

Relembramos-te que a BANTUMEN disponibiliza todo o tipo de conteúdos multimédia, através de várias plataformas online. Podes ouvir os nossos podcasts através do Soundcloud, Itunes ou Spotify e as entrevistas vídeo estão disponíveis através do nosso canal de YouTube.

Podes sugerir correções ou assuntos que gostarias de ler, ver ou ouvir na BANTUMEN através do email redacao@bantumen.com.

Equipa BANTUMEN
Equipa BANTUMEN
A BANTUMEN é um magazine eletrónico em português, com conteúdos próprios, que procura refletir a atualidade da cultura urbana da Lusofonia, com enfoque nos PALOP e na sua diáspora.

Deixa-nos a tua opinião

Artigos Relacionados
Com sete anos de carreira, Boy Lundy carrega consigo o sonho de influenciar novas vozes, trabalhar na música de forma profissional, mostrado que é possível criar sustento e viver da arte e enriquecer a arte moçambicana, assim como o movimento hip-hop.
Da Soul acabou de levar o seu último álbum, Liberdade de Expressão, à loja FNAC de Almada, com uma apresentação ao vivo e sessão de venda e autógrafos. O projeto foi lançado em agosto, estando disponível em lojas físicas FNAC e através das plataformas de streaming de áudio.
Já está a acontecer a Feira Internacional de Negócios da Moda, no Palácio de Ferro, na baixa de Luanda. A cerimónia de abertura começou com uma mesa redonda, com a participação de nomes já bem conhecidos da indústria fashion angolana, como Rose Palhares e a escritora e consultora de imagem Marleyh Selo. A moderação foi feita pela apresentadora Dinamene Cruz.