Addy Buxexa

Autoras do perfil Enough is Enough desmentem acusações contra Addy Buxexa

A página de Instagram Enough is Enough, que surgiu há dias com o intuito de expor alegados casos de pedofilia, assédio e abuso sexual contra mulheres, retirou as publicações que denunciavam uma relação de assédio e abuso do rapper Addy Buxexa contra uma jovem de, na altura, 16 anos. A decisão partiu das fundadoras, Alexandra Silva e Patrícia Louro, depois de averiguarem que se tratavam de falsas acusações.

Em dois vídeos divulgados nas redes sociais, as jovens indicam que as supostas mensagens trocadas entre Addy e a alegada vítima foram manipuladas e que as acusações seriam falsas.

“Este é o nosso pedido de desculpas público ao Adilson Almeida, no que concerne o post que fizemos sobre a acusação de assédio sexual… É para dizer desde já que é fake news. É um crime de ódio e assumimos as responsabilidades. Pedimos desculpa pelos transtornos que causamos na vida dele pessoal e na sua carreira”, disse Patrícia Louro.

“Apesar de se responsável apenas pela partilha de informação, por fazer parte da equipa, senti-me na obrigação de dar a cara pelo transtorno causado ao Addy Buxexa, porque a denúncia postada contra ele, apesar de ter provas, descobrimos que as provas foram manipuladas”, explicou Alexandra.

Num post anterior, o rapper já tinha reagido contra as acusações, alegando que eram falsas: “Não violei ninguém, não abusei sexualmente e não assediei menores. Peço a quem tenha alguma queixa a apresentar contra mim, se dirija às autoridades competentes, apresente queixa formal e permita, assim, que o processo possa ser alvo de investigação. Apelo também a todos os que acreditam, incentivam e partilham as alegadas mensagens a terem consciência que Fake News, embora ainda sem legislação criminal, é moralmente condenável. Tenho a minha consciência tranquila e consciente do que fiz e não fiz e preocupa-me que haja um assunto tão sério a ser banalizado em prol de um ataque pessoal”.

Sobre os novos vídeos de autoria das criadoras da página Enough is Enough, Addy voltou a frisar que foi “vítima de um ataque de ódio explícito e gratuito”.

“Vou continuar a minha caminhada firme e forte com a TRX Music. Quanto aos verdadeiros, quanto aos que ligaram, mandaram mensagens, se preocuparam genuinamente com situação… o meu muito obrigado”, escreveu o artista no Instagram.

Relembramos-te que a BANTUMEN disponibiliza todo o tipo de conteúdos multimédia, através de várias plataformas online. Podes ouvir os nossos podcasts através do Soundcloud, Itunes ou Spotify e as entrevistas vídeo estão disponíveis através do nosso canal de YouTube.

Podes sugerir correções ou assuntos que gostarias de ler, ver ou ouvir na BANTUMEN através do email redacao@bantumen.com.

Equipa BANTUMEN
Equipa BANTUMEN
A BANTUMEN é um magazine eletrónico em português, com conteúdos próprios, que procura refletir a atualidade da cultura urbana da Lusofonia, com enfoque nos PALOP e na sua diáspora.

Deixa-nos a tua opinião

Artigos Relacionados
Com sete anos de carreira, Boy Lundy carrega consigo o sonho de influenciar novas vozes, trabalhar na música de forma profissional, mostrado que é possível criar sustento e viver da arte e enriquecer a arte moçambicana, assim como o movimento hip-hop.
Da Soul acabou de levar o seu último álbum, Liberdade de Expressão, à loja FNAC de Almada, com uma apresentação ao vivo e sessão de venda e autógrafos. O projeto foi lançado em agosto, estando disponível em lojas físicas FNAC e através das plataformas de streaming de áudio.
Já está a acontecer a Feira Internacional de Negócios da Moda, no Palácio de Ferro, na baixa de Luanda. A cerimónia de abertura começou com uma mesa redonda, com a participação de nomes já bem conhecidos da indústria fashion angolana, como Rose Palhares e a escritora e consultora de imagem Marleyh Selo. A moderação foi feita pela apresentadora Dinamene Cruz.