AMPE-ROGERIO

Pela primeira vez, Angola entra para o ranking global de startups

Angola acaba de dar mais um passo nos ecossistemas de startups tecnológicas a nível global. O país classificou-se no ranking global da StartUpBlink na segunda posição a nível da África Central e a nível global, posicionou-se em 115.º lugar, num universo de 118 países.

De acordo com o jornal Mercado, José Bucassa, diretor executivo do Angola Innovation Summit disse que é necessário impulsionar e dinamizar o ecossistema de startups no país, para que se possa ascender de posições nos próximos anos.

Para exemplificar, Bucassa referiu-se a Cabo Verde, que quando entrou pela primeira vez na lista global de 2020, ocupou a 100ª posição, sendo o único PALOP posicionado nesta tranche, ocupando atualmente o 87.º lugar.

O diretor indicou também que o relatório tem semelhanças ao Ease of Doing Business, que oferece um benchmark que possibilita aos países orientarem políticas para o desenvolvimento do ambiente de inovação e de starups, fundamental para o desenvolvimento económico e sofisticações dos mercados.

“Para o caso de Angola, é precisamente disto que estamos a falar: a visibilidade do ecossistema, dando projeção às startups, atrair investidores, criar bases para estabelecer pontes, e oferecer insights aos policy makers e outros stakeholders relevantes (internos e externos)”, disse José.

O ranking global da StartUpBlink trata-se de um relatório anual que é lido por centenas de milhares de decisores. O projeto tem o intuito fundamental de fornecer informações gratuitas de qualidade para fundadores de startups para que possam tomar decisões conscientes e inteligentes sobre a realocação e o espaço exato e certo para construir, dar visibilidade e atrair a relevância de uma startup.

“Quando pensamos em startups em África é muito comum falarmos e ouvirmos falar de Startups bem-sucedidas do Quénia e da Nigéria. Já nos perguntamos por que razão não se fala de Angola? A resposta é simples e muito óbvia: neste domínio, somos desconhecidos”, acrescentou José Bucassa.

Numa lista de 100 cidades mapeadas, a cidade de Luanda ocupa a 952ª posição, com uma pontuação total de 0,1091.

O relatório Global de Ecossistemas de Startups é o mais abrangente do mundo, e classifica mais de 70.000 Startups, das quais 1.226 são da Lusofonia. Abrange também mais de 1.900 espaços de coworking, mais de 578 aceleradoras, mais de 200 líderes e mais de 790 organizações, de 1.000 cidades e mais de 100 países.

Relembramos-te que a BANTUMEN disponibiliza todo o tipo de conteúdos multimédia, através de várias plataformas online. Podes ouvir os nossos podcasts através do Soundcloud, Itunes ou Spotify e as entrevistas vídeo estão disponíveis através do nosso canal de YouTube.

Podes sugerir correções ou assuntos que gostarias de ler, ver ou ouvir na BANTUMEN através do email redacao@bantumen.com.

Bruno Dinis
Bruno Dinis
Carrego a cultura kimbundu nas minhas veias. Angolanidade está presente a cada palavra proferida por mim. Sou apologista de que a conversa pode mudar o mundo pois a guerra surgiu também de uma. O conhecimento gera libertação e libertação gera paz mental, por tanto, não seja recluso da ignorância.

Deixa-nos a tua opinião

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Artigos Relacionados
O anúncio foi feito na página oficial da distribuidora Altafonte, que divulgou também alguns testemunhos dados pelos membros da Gang, primeiramente acerca do processo criativo da obra.
Na altura em que o programa Equal celebra 6 meses, o Spotify, a maior plataforma de áudio em streaming do mundo, elege Soraia Ramos como artista Equal de outubro em Portugal. Equal é uma iniciativa global que promove a igualdade de género, selecionando uma artista feminina todos os meses por cada mercado, maximizando a sua visibilidade e promovendo o seu crescimento na indústria através da plataforma.