Fox Beat apresenta “Bailarina” com selo da Wave Estúdio

O produtor angolano Fox Beat acaba de lançar a sua mais recente música, “Bailarina”, que conta com a participação de Paulo Zau. A música tem o selo da gravadora em ascensão Wave Estúdio, e já se encontra disponível nas plataformas de streaming.

“Bailarina” é mais um som que, com certeza, vai-te fazer vibrar e pelo menos abanar a cabeça. Trata-se de um afrobeat contagiante, a que Fox Beat emprestou as habilidades como produtor e Paulo Zau ficou encarregue de dar a sua voz com um verso e refrão catchy.

Segundo Fox, a música centra-se na admiração que as pessoas em geral têm pelas bailarinas, e retrata o amor entre um músico e uma bailarina e o resultado dessa sinergia.

Sobre o single, o processo de criação “foi fácil por já ter a ideia e a base do instrumental já feito e fixado”. Por sentir que faltava mais alguma coisa, decidiu convidar Zau para complementar a sua música.

“Pedi ao meu colega Paulo Zau que comigo desenvolvesse uma ideia para o beat e ele mostrou-se disponível de imediato e gostei do improviso em o fiote [língua nacional]. Mais tarde, só tive de dar melhores arranjos e aperfeiçoar mais ainda a música e foi assim que finalizamos”, disse Fox.

A música tem uma ficha técnica com os nomes de Fox Beat na produção executiva, direção de produção e letra, vozes e coro de Paulo Zau.

Fox Beat responde pelo nome de Fofana Gabriel, tem 27 anos e a música corre-lhe nas veias.

Além de ser o seu berço e local de residência, o município da Maianga, vulgo MongBlock, em Luanda, também é o lugar que o viu nascer e crescer como produtor musical. Tudo começou em 2010, durante o tempo livre depois das aulas, que passava com o amigo de infância Bob da Silva. Um vez, Bob apareceu em sua casa com um programa de “fazer beats”, o tempo que antes era livre deixou de o ser. Nasciam assim as primeiras obras de arte do artista. Tal como diz o ditado “a cura para o tédio é a curiosidade”, no caso de Fox e Bob a frase resultou. Ambos passaram a aprender e aprimorar as suas habilidades que lhes serviria mais tarde de refúgio.

Depois desse contato com o software de produção, o artista deixou-se magnetizar pelo programa, que instalou sorrateiramente no PC do pai, aos 16 anos.

Com o passar do tempo, sem se aperceber, o que era um hábito passou a ser um vício. Em junho de 2012, Fox conheceu Jorge Cassinda, um “produtor entusiasta”.

Quando foi convidado a entrar no estúdio caseiro de Fox Beat, Jorge ficou encantado com a “natureza ingénua, arrojada, singular e repleta de sonoridade nos instrumentais” que o produtor criava, sendo que estas palavras, outros ensinamentos e bases serviram de “gás” na sua caminhada.

“No fundo aprendi a seguir um processo nas minhas criações e tornar os meus beats mais apresentáveis e tinha mais recursos para sair da minha zona de conforto”, comentou FoxBeat.

Além de apenas um computador e um software, FoxBeat teve acesso a mais programas, equipamentos e exposição a outras sonoridades. Isso despertou em si o “bichinho” da criatividade que estava dentro de si.

Um mês depois, surgiu a oportunidade de fazer a sua primeira produção. FoxBeat estreou-se oficialmente como beatmaker na música do grupo Mil Toques, intitulada “Cabeça Não Bate Bem”. No género Afro-House, a música foi muito bem recebida pelo público em geral.

Tempos depois, Fox recebeu outro desafio, trabalhar com o falecido rapper da nova escola e ex-membro da TRX Music, Rony Bravo, na música “Raios”, e o resultado deste trabalho culminou com a sua entrada no movimento rap e produziu para artistas como Lil Drizzy, Eric Rodrigues, R. Jotta, Edson dos Anjos, Emana Cheezy, entre outros.

Mais tarde, Fox notou que havia dentro de si uma tendência mais melódica e o Zouk contribuiu para essa afirmação. “Dá só”, de Kenny André, membro do grupo Team Cadê, e “Melhor Forma”, de Edgar Domingos, com a participação de Mendez, acabaram por se tornar nas músicas que despontaram a popularidade do produtor. Ambas as músicas contam com cerca de meio milhão de plays no Soundcloud.

A sua entrada para a Wave Estúdio aconteceu em 2019, quando conheceu o patrono por intermédio de uma amiga. “A verdade era que, não só tinham uma amizade comum mas também objetivos. Na altura a Wave era ainda um projeto em papel, um conceito. Levou três anos para que o projeto se efetiva-se”, relembrou Fox.

Hoje, sendo um dos quatro nomes que compõem o leque de artistas da Wave, Fofana não pretende ficar-se pelos beats. Com a Wave, o artista pretende ajudar no desenvolvimento da cultura angolana e, claramente, expandir mais o seu conhecimento explorando outros aspetos relacionado à produção musical.

“Eu aprecio mais a música feita cá em Angola e não só pela qualidade sonora que evoluiu bastante mas também pela criatividade desde o produtor, cantor e até mesmo à pessoa que vai mixar. Tem sido para mim muito bom ouvir a música feita aqui”, explicou.

Relembramos-te que a BANTUMEN disponibiliza todo o tipo de conteúdos multimédia, através de várias plataformas online. Podes ouvir os nossos podcasts através do Soundcloud, Itunes ou Spotify e as entrevistas vídeo estão disponíveis através do nosso canal de YouTube.

Podes sugerir correções ou assuntos que gostarias de ler, ver ou ouvir na BANTUMEN através do email redacao@bantumen.com.

Bruno Dinis
Bruno Dinis
Carrego a cultura kimbundu nas minhas veias. Angolanidade está presente a cada palavra proferida por mim. Sou apologista de que a conversa pode mudar o mundo pois a guerra surgiu também de uma. O conhecimento gera libertação e libertação gera paz mental, por tanto, não seja recluso da ignorância.

Deixa-nos a tua opinião

Artigos Relacionados
Mas como interagir com alguém que fala um idioma que desconhecemos? Danny Manu, um britânico de origem ganesa, criou a solução. Os Clik by Mymanu são uns fones de ouvido, sem fios, que podem traduzir vários idiomas automaticamente.
Este ano, a artista celebra 25 anos de carreira e mostra a fibra de que é feita, eclética, surpreendente e a transbordar musicalidade. Para assinalar a data, temos "Bla Bla Bla", uma música que marca um ponto de viragem na sua carreira, seja a nível sonoro como visual.
Em conversa com a BANTUMEN, Rubem Gomes, um dos fundadores da Associação Vegetariana Angolana, explicou que a decisão de criar a associação partiu do "sentimento de compaixão para com todos os seres", acreditando que os seres humanos ainda podem fazer do mundo um lugar melhor, enquanto existir respeito sobre os outros elementos da natureza.