Nasceu finalmente a UNA, a União Negra das Artes em Portugal

Uma das soluções há muito apontadas como solução para a criação de uma comunidade negra livre das amarras de um sistema racista e opressor é a união, através de organizações que possam constituir um elemento de pressão junto das entidades políticas e sociais. E que sirva sobretudo de rede de apoio ao desenvolvimento, crescimento e sucesso dos seus membros. É nesta senda que nasce agora a UNA, a União Negra das Artes em Portugal.

“É com alegria que lançamos hoje publicamente a UNA – União NEGRA das Artes, constituída em Abril de 2021, no seio da luta antirracista em Portugal e na sequência das diversas manifestações e debates recentes em torno da reivindicação de direitos humanos, da descolonização do conhecimento e da valorização do legado artístico-cultural protagonizado por pessoas negras”, podemos ler no comunicado enviado à BANTUMEN, neste sábado 31.

“Estamos felizes por constituir esta associação que visa defender os interesses específicos da negritude no setor cultural, tendo em conta as continuidades históricas do racismo colonial que, até hoje, mantém assimetrias profundas que dificultam a criação, a fruição, o acesso, a produção, a programação e, consequentemente, a representatividade negra no setor artístico em Portugal”, indica o documento.

A UNA é constituída por 35 membros da comunidade criativa negra, como Ana Sofia Martins, Cláudia Semedo, Melissa Rodrigues, Welket Bungué, entre vários outros nomes conhecidos do meio artístico.

Com o objetivo de promover, elevar e fortalecer a representatividade negra no campo artístico, “assim como o reconhecimento e a valorização do património imaterial da população negra em Portugal”, a UNA é um espaço aberto para quem se reveja nos seus princípios – celebração, denúncia, transparência, interseccionalidade, horizontalidade, representatividade e ancestralidade – e pretenda combater as desigualdades raciais historicamente construídas assim como celebrar o nosso longo e rico legado artístico”.

Recordamos que, a propósito da representatividade e diversidade no meio artístico em Portugal, acontece este domingo, 1, um debate organizado pela BANTUMEN com o apoio da distribuidora de cinema Alambique. Transmitido nas redes sociais da BANTUMEN, o debate conta com a presença da performer e ativista Melissa Rodrigues, do ator e encenador Mauro Hermínio e do ativista e dirigente da SOS Racismo Mamadu Ba.

https://fb.me/e/dM7ifAIas

Relembramos-te que a BANTUMEN disponibiliza todo o tipo de conteúdos multimédia, através de várias plataformas online. Podes ouvir os nossos podcasts através do Soundcloud, Itunes ou Spotify e as entrevistas vídeo estão disponíveis através do nosso canal de YouTube.

Podes sugerir correções ou assuntos que gostarias de ler, ver ou ouvir na BANTUMEN através do email redacao@bantumen.com.

Equipa BANTUMEN
Equipa BANTUMEN
A BANTUMEN é um magazine eletrónico em português, com conteúdos próprios, que procura refletir a atualidade da cultura urbana da Lusofonia, com enfoque nos PALOP e na sua diáspora.

Deixa-nos a tua opinião

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Artigos Relacionados
O projeto é uma viagem de 19 temas a um estado de espírito focado na concretização dos seus desejos mais magnânimos. Mind Frames representa a luta que envolveu o processo de produção deste projeto, que inclui as vitórias, derrotas, a aprendizagem e o mind set.
núncio foi feito num comunicado da MIPAD, durante a cerimónia de nomeação das personalidades, que aconteceu no início deste mês, logo após a abertura da 76ª Assembleia Geral de organismo internacional, que decorre desde Setembro.
Apesar da pandemia do coronavírus ter parado o mundo por completo e inclusive, as apresentações públicas em eventos culturais, os músicos optaram por focalizar forças para as plataformas de streaming, que passou a fazer parte da lista de táticas de rentabilização no mundo.