SADIA

SADIA exige à Unitel 453 milhões de kwanzas por direitos autorais

A Sociedade Angolana dos Direitos de Autores, SADIA e a Unitel estão envolvida numa “guerra” aberta por direitos autorais. O Serviço Nacional de Direitos de Autor e Conexos (SENADIAC) decidiu a favor da SADIA, que exige o pagamento de 453 milhões de kwanzas por parte da empresa telecomunicações angolana.

Em causa estão os direitos de autor das músicas que são utilizadas na plataforma de streaming Kisom e do serviço “Toque de Espera”. Por sua vez, a Unitel diz ter feito o pagamento aos representantes dos artistas de editoras como LS Republicano, Arca Velha, Grupo Chiado, Bom Som, Go Edições e Sygnius.

Num comunicado emitido recentemente, a SENADIAC explicou que nenhum dos representantes encontra-se certificado como Entidade de Gestão Coletiva, sendo que a UNITEL, no “exercício da sua atividade, envolve bens intelectuais de natureza artística, para fins comerciais, o mesmo carece de autorização por entidade competente, no caso o SENADIAC”.

Segundo o Jornal Expanção, a maior operadora telefónica de Angola mantém o seu posicionamento face ao assunto e deixa uma recomendação à SADIA.

“Recomendamos à SADIA que comece por resolver a gestão de direitos de autor com os mesmos autores, alegadamente filiados a ela, mas que também recebem receitas que a UNITEL paga aos seus outros representantes. Se por acaso a SADIA fizer prova da representação deste ou daquele artista que não tenha já pedido os direitos autorais a outrem, a UNITEL não vê qualquer impedimento em pagar pelos direitos dos mesmos”, lê-se numa resposta de esclarecimento.

Relembramos-te que a BANTUMEN disponibiliza todo o tipo de conteúdos multimédia, através de várias plataformas online. Podes ouvir os nossos podcasts através do Soundcloud, Itunes ou Spotify e as entrevistas vídeo estão disponíveis através do nosso canal de YouTube.

Podes sugerir correções ou assuntos que gostarias de ler, ver ou ouvir na BANTUMEN através do email redacao@bantumen.com.

Bruno Dinis
Bruno Dinis
Carrego a cultura kimbundu nas minhas veias. Angolanidade está presente a cada palavra proferida por mim. Sou apologista de que a conversa pode mudar o mundo pois a guerra surgiu também de uma. O conhecimento gera libertação e libertação gera paz mental, por tanto, não seja recluso da ignorância.

Deixa-nos a tua opinião

Artigos Relacionados
Foi há mais de um ano que a longa-metragem sobre o assassinato de Alcindo Monteiro, ocorrido há 26 anos, começou a ser rodada. A película estreia-se finalmente no próximo domingo, 24, às 19h, na Sala Manoel de Oliveira do Cinema São Jorge. O filme faz parte da programação do DocLisboa.
Mas como interagir com alguém que fala um idioma que desconhecemos? Danny Manu, um britânico de origem ganesa, criou a solução. Os Clik by Mymanu são uns fones de ouvido, sem fios, que podem traduzir vários idiomas automaticamente.
Este ano, a artista celebra 25 anos de carreira e mostra a fibra de que é feita, eclética, surpreendente e a transbordar musicalidade. Para assinalar a data, temos "Bla Bla Bla", uma música que marca um ponto de viragem na sua carreira, seja a nível sonoro como visual.