Estes são os 10 artistas mais ricos de África

Apesar da pandemia do coronavírus ter parado o mundo por completo e inclusive, as apresentações públicas em eventos culturais, os músicos optaram por focalizar forças para as plataformas de streaming, que passou a fazer parte da lista de táticas de rentabilização no mundo.

Segundo o site Statista, a lista dos artistas africanos mais ricos de África para o ano de 2021 conta com nomes totalmente importantes e conhecidos dentro do sector cultural africano. Marcada pela ausência de nomes PALOP, que atualmente estão entre os maiores nomes da música africana, a lista é composta maioritariamente por nomes da Nigéria, sendo que o restante é proveniente do Senegal, África do Sul.

A lista é composta somente por homens que fazem parte da antiga, média e da nova geração de músicos africanos, recebendo também destaque Wizkid e Davido.

10 – D’Banj (Nigéria)

D’Banj é um dos artistas mais impactantes que África viu a nascer dentro da década de 2000. Com 40 anos de idade, o artista já foi um dos protagonistas da gravadora de Don Jazzy, a Mo’Hits, mas o afastamento não impediu que o artista crescesse. Durante toda sua carreira, o artista confirmou a sua internacionalização assinando com a G.O.O.D Music de Kanye West, e atualmente património líquido do autor de “Oliver Twist” é estimado em 11 milhões de dólares.

9 – 2Face Idibia (Nigéria)

Innocent Idibia que no mundo da música é 2Face ou 2Baba, é o artista nigeriano que está no ativo desde 1994. Quando mudou para Lagos, artista começou a fazer carreira com o rapper Blackface Naija, com quem colaborou e lançou dois álbuns, Body and Soul de 2000 e Sold Out em 2003, tendo um ano depois começar a seguir carreira a solo.

2Baba agora com 46 anos, o dono do hit “African Queen” não para de somar. O artista tem um património avaliado em 15 milhões de dólares americanos.

8 – Mr. P (Nigéria)

Mr. P é um dos rostos da dupla P-Square e além de estar entre os mais ricos da Nigéria, também está entre os mais ricos de África. Peter de 40 anos e segundo o site Owogram, desde o lançamento “Get Squared” chegou a lucrar mais 26,6 bilhões de Nairas, tornando-se em um dos artistas mais ricos da Nigéria.

O seu património é de 15,2 milhões de dólares americanos.

7 – Davido (Nigéria)

Davido apesar de ser filho de um magnata dos negócios, com a sua música o artista conseguiu “fazer acontecer” e aumentar o seu património líquido.

Além de ter um leque de músicas de sucessos que saem desde “Dami Duro” até chegar a um dos seus últimos sucessos, o “Shopping Spree” com Young Thug e Chris Brown, o artista detém também carros, casas e joias, que foram angariados em concertos, contratos de parcerias com empresas, vendas de singles, como é o caso de “Blow My Mind” com Breezy que é um dos que ultrapassou a marca de dois milhões de vendas.

Atualmente, Davido tem um património líquido que está na faixa dos 16 milhões de dólares.

6 – Rudeboy (Nigéria)

Paul Okoye é Rudeboy e é o sexto artista mais rico de África. O antigo membro da dupla P-Square é considerado como um dos melhores cantores da Nigéria até ao momento.

Agora em carreira a solo, Rude não parou de somar tanto em sucessos musicais como também em património líquido, que é de 16,1 milhões de dólares.

5 – Wizkid (Nigéria)

Um dos maiores nomes da música africana da nova geração também faz parte da lista. Wizkid de 31 anos tem uma lista de músicas de sucesso que mereceram prémios e indicações, como “Brown Skin Girl” de Beyoncé, que recebeu um Grammy.

Wizkid tem em sua posse a gravadora que recebe a sua alcunha, a Starboy Entertainment, que hoje cuida de músicas de nomes como Maleek Berry, R2Bees, Mr. Eazi, Terri, e o produtor Legendury Beatz, responsável pela produção de um dos seus maiores sucessos, o “Ojuelegba”.

Hoje, Wizkid faz shows por todo mundo, recebendo destaque a sua tour homónima ao seu álbum Made In Lagos, sendo que o seu património líquido é de 20 milhões de dólares.

4 – Don Jazzy (Nigéria)

Don Jazzy é um dos veteranos da música moderna feita por africanos. O nigeriano tem um portfólio que engloba nomes muito famosos e rentáveis, que participaram no crescimento da arte musical no continente.

Michael Ajareh tem 38 anos que é conhecido por fazer música já trabalhou em outras áreas. Em 2000, quando mudou-se para Londres, Jazzy começou a trabalhar como segurança em um dos restaurantes da McDonald’s, mas a música falou mais alto e o artista continuou na sua busca pelo sonho de singrar na música.

O artistas foi um dos responsáveis pelo sucesso de D’Banj, quando ainda era proprietário da Mo’Hits, no ano de 2004. Em 2012, Jazzy lançou a Mavin Records, a gravadora que por onde já passaram como Wande Coal, Naeto C, D’Prince, Lapidoe e Tiwa Savage, sendo que também é responsável pelos sucessos “Dumebi” de Rema.

Don Jazzy atualmente tem um património líquido de 30 milhões de dólares.

3 – Black Coffee (África do Sul)

Black Coffee é de certeza um dos deejays mais famosos e mais rentáveis de África. Com 45 anos de idade, o DJ sul-africano começou o seu trajeto dentro da música há quase 30 anos e entretanto só vem estando a somar.

Black Coffee tem uma lista incontável de sucessos que dominaram o continente e acabaram por conquistar o mundo, ganhando novas roupagens e remixes, como é o caso do instrumental da música “Superman” com Bucie, que foi usado por Drake em “Get It Together”, com a participação de Jorja Smith.

Black Coffee não tem somente atuado na música. O DJ tem ações em empresas e startups do ramo tecnológico na África do Sul, como é o caso da Yoco, Zone 6, a Andela e tantas outras.

Em 2021, a Statista diz que o património líquido de Black é de 60 milhões de dólares americanos.

2 – Akon (Senegal)

Akon desde que “explodiu” no mundo da música elevou a raiz e sonoridade da música africana mesmo sendo rapper. Agora com 47 anos, o artista lançou álbuns e teve participações em negócios “gigantes” dentro da música e não só. O patrono da gravadora Konvict Muzik, que já lançou inúmeros artistas como Kat DeLuna, Verse Simmonds, Kardinal Offishall, French Montana, Lady Gaga, T-Pain, os africanos Sarkodie, P-Square, 2Baba e Wizkid.

14 anos depois de ter lançado o sucesso “Lonely”, Akon anuncia um dos seus maiores projetos que foi inspirado na cidade fictícia de Wakanda pertencente ao filme Pantera Negra, a Akon City, sendo aprovada em 2020 pelo governo senegalês.

A cidade será construída no Senegal e tem a previsão da primeira fase estar concluída em 2023, e o projeto todo em 2029.

O património líquido de Akon é de 80 milhões de dólares e torna-se no segundo artista mais rico do continente.

1 – Youssou N’Dour (Senegal)

Com um patrimônio líquido de cerca de 145 milhões de dólares, o músico senegalês está entre os cantores mais famosos e um dos impulsionadores da música feita em África. Além de sua carreira de sucesso na indústria musical como compositor, compositor e cantor, ele também participou da política de seu país como Ministério do Turismo entre 2012 e 2013.

N’Dour tem 61 anos, está no ativo desde 1970 e tem em sua posse Danish Music Awards, Grammys, MOBO, MTV Europe Music Awards, Montreal International Jazz Festival e outros. Musicalmente, o artista já colaborou com Lokua Kanza, Koffi Olomide e recentemente com Burna Boy, no álbum Twice As Tall.

Relembramos-te que a BANTUMEN disponibiliza todo o tipo de conteúdos multimédia, através de várias plataformas online. Podes ouvir os nossos podcasts através do Soundcloud, Itunes ou Spotify e as entrevistas vídeo estão disponíveis através do nosso canal de YouTube.

Podes sugerir correções ou assuntos que gostarias de ler, ver ou ouvir na BANTUMEN através do email redacao@bantumen.com

Bruno Dinis
Bruno Dinis
Carrego a cultura kimbundu nas minhas veias. Angolanidade está presente a cada palavra proferida por mim. Sou apologista de que a conversa pode mudar o mundo pois a guerra surgiu também de uma. O conhecimento gera libertação e libertação gera paz mental, por tanto, não seja recluso da ignorância.

Deixa-nos a tua opinião

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Artigos Relacionados
O projeto é uma viagem de 19 temas a um estado de espírito focado na concretização dos seus desejos mais magnânimos. Mind Frames representa a luta que envolveu o processo de produção deste projeto, que inclui as vitórias, derrotas, a aprendizagem e o mind set.
núncio foi feito num comunicado da MIPAD, durante a cerimónia de nomeação das personalidades, que aconteceu no início deste mês, logo após a abertura da 76ª Assembleia Geral de organismo internacional, que decorre desde Setembro.
Apesar da pandemia do coronavírus ter parado o mundo por completo e inclusive, as apresentações públicas em eventos culturais, os músicos optaram por focalizar forças para as plataformas de streaming, que passou a fazer parte da lista de táticas de rentabilização no mundo.