PUB

Afrikanista, uma funky diva que reinventou a t-shirt

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

Aissé N’diaye, a diva funky como a própria se descreve, reinventa a peça de roupa mais usada no mundo: a t-shirt. Recordaremos por muito tempo a sua assinatura, os epaulettes presos na camiseta, os panos de padrão africano e os sacos barbes (também conhecidos como sacos do migrante). Lembraremos também a sua criatividade e capacidade de divulgar e promover a sua cultura africana através de velhas fotos de familiares e artistas, provérbios e motivos africanos, do Egipto à Mauritânia e Senegal. Aissé N’diaye é muito mais do que uma designer de moda, porque através das suas t-shirts, ela luta para manter uma memória desprezada, ignorada mas não desconhecida. Conhece a criadora da Afrikanista, uma marca na encruzilhada de vários estilos de expressão: fotografia, moda e história.

(Re)Descobrimos-te através da tua nova colecção. Por que é especial?

“Afrikanista x Xaritufoto” é uma colaboração entre a marca afrikanista e a associação Xaritufoto.
– Esta associação foi criada em 2010 e tem sede em Dakar: presidida por Luc Da Silva, filho do fotógrafo de Ben Ali, Roger Da Silva. Promove a preservação do património fotográfico africano através da colecta, digitalização, preservação, conservação e valorização deste património fotográfico. – É uma colecção cápsula limitada de quatro visões de t-shirts, tiradas de quatro fotos da colecção pessoal de Roger Da Silva, editadas em 120 cópias: 10% das vendas desta colecção serão doadas para a associação Xaritufoto para para promover a fotografia africana.

Como foi a montagem do projecto com Xaritufoto?

Há um ano, fui convidada por Nadine Hounkpatin para um evento relacionado à moda camaronense. Chegando lá, discutindo sobre várias coisas, ela me disse: “Aïssé, tu que és fã de fotografias africanas, eu tenho o kit de imprensa de um fotógrafo que faz belas fotos vintage. Foi aqui que descobri o trabalho de Roger Da Silva: as fotos são lindas, de uma forma deslumbrantemente elegante. Deve saber-se que Nadine, que conheço, cuida da parte da comunicação dentro da associação Xaritufoto. A ideia surgiu imediatamente na minha mente, e eu perguntei sem querer, se haveria uma oportunidade de colaborar com a associação. Nadine ficou encantada com a ideia e colocou-me em contato com Luc Da Silva, que aceitou a iniciativa.

No início das férias do ano passado, em Setembro, de visita a Dakar, pedi a Luc que o conhecesse e ele me convidou para almoçar no seu espaço. Lá, ele explicou-me a abordagem da associação e mostrou-me negativos e fotos do seu pai: fiquei fascinada, [as imagens] eram lindas e cheias de emoção. Expliquei o conceito da marca Afrikanista, que é a primeira homenagem para os meus pais, mas também para as antigas gerações africanas, para a cultura da África Ocidental, através de uma linha de t-shirts e camisolas. Camisas misturando fotos vintage, provérbios e slogans africanos, hieróglifos egípcios e empoderamento através das suas épaulettes e o seu conceito “Funky Diva”. Entretanto, consegui escolher quatro fotos e tive carta branca para criar uma história ao seu redor.

Normalmente, nas tuas criações, podem ler-se mensagens, textos, provérbios. Desta vez, há muitos símbolos e metáforas. La Marianne (figura simbólica da República Francesa) e as cores da bandeira, branco, azul e vermelho, são exemplos.
O que inspirou a direção artística desta colecção? As fotos de Roger Da Silva selecionadas, ou uma vontade preeminente para o projecto?

No enquadramento da marca, durante a colecção anterior, LIBERTÉ, ÉGALITÉ, AFFAIRE DE PAPIERS, abordei a questão da imigração em França desviando o lema do país. Achei que a noção de fraternidade é tendenciosa, pois em nosso país, quando és filho da imigração, nasceste e foste criado aqui, continuas a ser cidadão de segunda porque nos referimos sempre às origens ou à cor da pele. A França tem um grande problema com os imigrantes e não aceita essa sociedade multicultural em que todos nos banhamos. A prova, não existe uma representação homogénea da população dentro da classe política e até mesmo ao nível do panorama audiovisual francês. E isso não é normal em 2017. Muitos de nós não nos reconhecemos como franceses e eu entendo perfeitamente. E quer gostemos ou não, somos franceses. Assim, através desta nova colecção, queria usar os diferentes símbolos relacionados à República Francesa, misturando-os com a cultura da África Ocidental, mas especialmente abordando certos pontos, como a história dos atiradores senegaleses (grupo militar da tropa colonial), que é pouco conhecida ou a pluralidade de La Marianne, que hoje é multicultural e também pode ser chamada Mariama ou Myriam.

O segmento principal da marca é o tecido africano UNION (também chamado de Família Feliz em África anglófona). Este tecido tem um simbolismo especial porque se refere à noção de família e aos links que compõem o galo, o frango, os ovos e os pintos e que retornam à unidade familiar com o homem, a sua esposa e a sua família, crianças, mas também a prole (ovos).

O galo é um dos símbolos republicanos da França tanto quanto a bandeira e o seu simbolismo remonta à antiguidade na época dos romanos. Além disso, no tecido UNION, a parte inferior do tecido, a cor da galinha e o galo e a crista e o barbillon do último são uma reminiscência da bandeira francesa. A noção de família, tradição, modernidade, herança e transmissão também é encontrada nas quatro t-shirts.

Podes nos apresentar a colecção Afrikanista x Xaritufoto?

A coleção é organizada em torno de quatro T-shirts:

KISSIMA: em soninké (grupo étnico da África ocidental), significa “avô”. A foto é uma homenagem aos atiradores senegaleses que morreram pela França. O que não é dito é que mais de 350 mil africanos lutaram para erradicar o fascismo na Europa e muitos deles recrutados à força. Assim, na t-shirt há dois símbolos: o boné colorido em vermelho com referência a esses atiradores e as medalhas coloridas nas cores da bandeira francesa para lembrar o engajamento desses homens pela França. É uma história desconhecida e esquecida, que devia ser ensinada na escola e mencionada nos livros de História.

MARIAMA: em referência ao símbolo La Marianne da República Francesa, queria mostrar outra Marianne, africana, plural e multicultural através desta mulher usando um lenço que pintei em vermelho e que se refere ao boné de Phrygian . As suas moedas de ouro, um sinal de beleza e uma conotação de uma posição social fácil, também são uma reminiscência de Marianne porque a sua efígie apareceu em um certo número de moedas na altura dos Francos (moeda francesa antes do Euro).

Os seus ombros nus mais uma vez se referem à roupa de Marianne como na pintura de Eugène Delacroix “A Liberdade guiando o povo”. Através desta foto eu quis mostrar a elegância e a beleza da mulher africana.

UNIÃO: nesta foto, fala-se da família, através do retrato deste homem e das suas três irmãs. O boubou (veste tradicional) do homem foi destacado com o tecido de padrão africano que lembra essa noção de laços do sangue através do simbolismo do galo, do frango, dos pintos e dos ovos.

MA & TATA: Através desta foto impressa com certa emoção, queria prestar homenagem à minha mãe e a cumplicidade que tenho com ela. Esta imagem é uma boa ilustração do nosso relacionamento: a franqueza da mãe contrasta com a juventude da sua filha. O vestido e o acessório do lenço coloriram-se de vermelho para mostrar o vestido moderno da jovem que marca um paradoxo com a espera no tecido da sua mãe. As jóias coloridas em cor de ouro marcam a elegância da mãe e da filha.

Qual destas peças devemos absolutamente ter?

As quatro! Cada visual tem um pouco de história e simbolismo… No entanto, o meu coração balança entre KISSIMA e MARIAMA.

 

Este é um artigo do parceiro Little Africa Paris

[mc4wp_form id=”24174”]

Subscreve a nossa newsletter e fica a par de tudo em primeira mão!

PUB