PUB

“Cor da Saudade” de Akwetto, um afro-jazz ‘filho’ da pandemia

Akwetto, músico e compositor de jazz, vai apresentar no próximo dia 4 de fevereiro o seu novo EP, Cor da Saudade. O projeto quebra um ciclo de praticamente 15 anos de jejum musical.

Atualmente a residir no sul de França, o artista começou a trabalhar em Cor da Saudade durante o primeiro confinamento de 2020, voltando assim a ter tempo e vontade de conectar-se com a música.

Numa conversa via zoom, ficámos a conhecer melhor Akwetto e o que o fez voltar a compor.

Akwetto começou a sua investida na música ainda na adolescência, ao estudar Teoria Musical no antigo Elinga Teatro, em Luanda. Em 1994 fundou o seu primeiro grupo musical, Da Bi (Da Banda), cujo trabalho consistia sobretudo em músicas de intervenção social, no estilo rap e rnb. Com apenas três anos de estrada, Akwetto mudou-se para a África do Sul e a banda acabou por dissolver-se.

No país de Nelson Mandela, o artista tocava teclado numa igreja evangélica e o que compunha nos tempos livres tinha como base a poesia e bases rítmicas de várias partes do mundo. As influências de sonoridades internacionais que ali foi conhecendo acabaram por redefinir a sua música.

Entretanto, voltou a criar um novo grupo, os Khristomaniacz, onde trabalhou com o já falecido guitarrista angolano Nguabi Montel, das Gingas do Maculusso.

Em 2004, o percurso musical do artista foi abruptamente interrompido com o falecimento da mãe, que considerava a sua maior inspiração. No papel continuou a rabiscar frases, a compor letras e ideias de acordes, mas acabou por dar prioridade aos estudos.

Atualmente, formado em Ciências da Computação e depois de ter pisado em várias latitudes, Akwetto voltou a sentir necessidade de criar música, motivado pelo tempo que o primeiro confinamento lhe concedeu.

De lá para cá, já lançou “Quem Me Dera”, “I Am Missing You – Mamãe” e “Quiçá”. Esta última é a sua faixa mais ouvida no SoundCloud.

Cor da Saudade, com seis músicas, foi todo escrito e produzido por si e é aquilo a que Akwetto chama de afro-jazz, uma mistura entre ritmos africanos e o jazz clássico.

O EP leva-nos numa viagem emocionalmente intensa, com passagens sonoras por alguns clássicos da música angolana, mesclados com sonoridades modernas e pulsações rítmicas fortes. Cor da Saudade tem uma sonoridade acústica muito própria, sustentada por uma musicalidade afro-eclética peculiar.

O lançamento do projeto em todas plataformas de streaming de áudio está previsto para o dia 4 de fevereiro de 2022.

Clica no player acima para ver e ouvir a entrevista completa a Akwetto.

Subscreve a nossa newsletter e fica a par de tudo em primeira mão!

PUB