PUB
Documentário "Alcindo" / DocLisboa
Documentário "Alcindo" / DocLisboa

Documentário “Alcindo” chega finalmente ao grande ecrã, no São Jorge

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

Foi há mais de um ano que a longa-metragem sobre o assassinato de Alcindo Monteiro, ocorrido há 26 anos, começou a ser rodada. A película estreia-se finalmente no próximo domingo, 24, às 19h, na Sala Manoel de Oliveira do Cinema São Jorge. O filme faz parte da programação do DocLisboa.

O projeto contou com o apoio da associação SOS Racismo e de uma campanha de crowdfunding para levar a cabo o projeto, que é fruto sobretudo de voluntariado.

Alcindo Monteiro era Português de ascendência cabo-verdiana, foi espancado até à morte por um grupo de skinheads na Rua Garrett, no Chiado (Lisboa). O crime perpetrado na noite de 10 de Junho de 1995, Dia de Portugal.

Miguel Dores é formado em Antropologia Visual e decidiu fazer desse homicídio o tema da sua dissertação de mestrado, que depois tornou-se no projecto de documentário, com a realização e argumento do mesmo e produção de João Afonso Vaz. “O objetivo é discutir o passado, uma memória, mas como é que essa memória se reconstrói no presente e como o presente nos obriga a falar sobre este passado”, afirmou o investigador e autor do documentário à agência Lusa.

De acordo com Miguel, a ideia era fazer um estudo audiovisual, mas foi agregando outras pessoas à produção do projeto, que depois formaram uma equipa e começaram a filmar um documentário, que não só é uma abordagem a esta noite [da morte do jovem], como tem uma análise dinâmica das disputadas racializadas em Portugal, e também das disputas políticas sobre o racismo em Portugal.

No filme, o antropólogo e a equipa tentam não se concentrar nos agressores, nem isolar o caso de Alcindo. “Fazemos uma abordagem de como é que estes gestos racistas são consubstanciados ou promovidos a partir de uma agenda institucional e estrutural”. Miguel Dores pretende mostrar, através do documentário, como vários elementos sociais se articulam entre si e como não são “gestos de normalidade social, mas de algum modo são consubstanciados por um discurso de nação”. O filme tenta direccionar para aí as atenções”.

“O documentário Alcindo não possui qualquer intenção de ser um relato persecutório centrado na violência neo-nazi. Pelo contrário, o filme procura antes de tudo ser uma homenagem àqueles que resistem e àqueles que caem, e que nessa homenagem ilustra a estruturalidade de um conflito”, conclui.

Clica aqui para comprares o teu bilhete e garantires o teu lugar no domingo, na estreia do documentário Alcindo.

Subscreve a nossa newsletter e fica a par de tudo em primeira mão!

PUB