PUB

Moçambique na rota dos países produtores de algodão sustentável

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

Moçambique quer ser um produtor de 100% algodão BCI (Better Cotton Initiative, em português Iniciativa Melhor Algodão), renovando assim a sua indústria têxtil e assegura do novos mercados.

Um quinto das exportações agrícolas do país é relacionada ao algodão, de acordo com a Better Cotton Initiative (BCI). Na temporada 2016/2017, aproximadamente 170 mil pequenos agricultores, que tradicionalmente cultivam menos de um hectare cada, representaram 90% da produção total do país.

Apesar de uma produção baixa nos últimos cinco anos, há no entanto uma oportunidade considerável para expandir a produção de algodão do país e, já em 2011, o Instituto do Algodão de Moçambique (IAM), órgão governamental que supervisiona o sector do algodão, lançou um Plano de Revitalização da Cadeia de Valor do Algodão para incrementar a sua produtividade e sustentabilidade.

O renovado foco na sustentabilidade levou o IAM a envolver a Better Cotton Initiative no plano de revitalização, dando aos produtores moçambicanos a oportunidade de garantirem o acesso a novos mercados e colaborando com organizações locais de algodão para melhorar os métodos de produção.

Depois de um acordo de parceria estratégica assinado em 2014 entre o IAM e a BCI, o trabalho já deu resultados e, no mesmo ano, o número de agricultores moçambicanos a produzirem algodão BCI saltou para 75.000. De acordo com os dados da BCI relativos a esse ano, a produtividade foi drasticamente superior comparativamente aos agricultores de algodão convencionais: as produções subiram 57% e a rentabilidade escalou 65%. Em 2015, o número de agricultores moçambicanos de algodão BCI subiu para 78.912.

Subscreve a nossa newsletter e fica a par de tudo em primeira mão!

PUB