PUB
Roley & Ellputo

“Ayeah” de Roley promove próximo álbum e conta com ‘prod’ e voz de EllPuto

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

Roley está cada vez mais a investir em sonoridades mais melódicas e instrumentais mais arrojados que fogem do boom bap. A prova é o seu novo lançamento, “Ayeah”, que conta com a produção e a voz do supa producer EllPuto.

A música está disponível nas plataformas habituais desde esta sexta-feira, 15 de julho.

A vibe de “Ayeah” é um dançante afropop, onde a letra apresenta o interesse do artista por uma mulher que encontrou ocasionalmente. A música é o primeiro single promocional do próximo álbum de Roley, com o título The Don, ainda sem data de lançamento.

Além de EllPuto colocar nesta faixa uma sonoridade muito diferente da que nos tem habituado – que por norma tem uma maior influência do hip hop – a grande surpresa é o facto de contar com a sua própria voz, algo muito difícil de acontecer nas músicas que produz.

De recordar que, esta mudança de ritmos nas suas produções começaram com o seu último projeto, Ellputology, Vol.1, com 36 minutos que variam entre o Amapiano, Afrobeats, Kuduro e Afro House.

Roley & Ellputo
Roley & Ellputo

O afropop deste “Ayeah” é fruto da predominância da sonoridade nas produções de artistas afrodescendentes a viverem em cidades cosmopolitas como Lagos, Paris, Lisboa ou Londres. Julinho KSD, Tayc ou Jorja Smith compõem a vasta lista desses artistas que têm aderido ao estilo que tem Wiz Kid ou Burna Boy como porta-bandeira.

De sublinhar que, no caso de Moçambique, um exemplo mais claro de um rapper que começou a imergir nesta vibe antes de ser moda é Hernâni da Silva, como por exemplo na faixa “Nanas Linda”, do EP Sexta Felizes, de 2018. Nessa altura, o estilo ainda não estava rotulado de afropop ou afroswing.

Numa entrevista com Roley, o artista explicava que tem sito muito criticado por estar a rimar em faixas que não se enquadram no hip hop. Contudo, o artista preferiu deixar de trabalhar para agradar os rappers que são muito críticos mas que pouco contribuem para arte que defendem. “Estou a fazer aquilo que as pessoas estão a gostar de ouvir, a dar feedback, a comprar e a partilhar nas redes. O meu álbum passado [Pensamentos] já foi muito redirecionado para rappers que deixar este compromisso de agradar a rappers“, disse na altura.

Subscreve a nossa newsletter e fica a par de tudo em primeira mão!

PUB