PUB
Brian Gitta
Brian Gitta

Brian Gitta: o inventor do dispositivo de teste de malária sem sangue

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

Tem apenas 24 anos, é do Uganda e inventou o dispositivo de teste de malária sem sangue. Brian Gitta é o responsável por essa inovação que ganhou o prémio “African Prize” de Inovação em Engenharia, no valor de 33 mil dólares, em 2018.

Matibabu é a palavra em Swahili que significa “tratamento”, e é o nome do dispositivo que tem como objetivo detetar a doença sem o uso do sangue. Até agora, para saber se alguém tinha ou não malária eram necessárias pequenas amostras de sangue retiradas do pacientes em hospitais ou farmácias mas, com o dispositivo desenvolvido por Brian Gitta e a sua equipa, já não existe essa necessidade.

Quando uma pessoa está infectada, o parasita da malária “cuida” do vacúolo de células vermelhas e o remodela de forma significativa, enfraquecendo-as. E o Matibabu funciona de seguinte forma: ele é posto no dedo da pessoa e, com um raio vermelho de luz percorre o dedo em busca de mudanças na cor, forma e concentração dos glóbulos vermelhos.

O resultado é produzido em apenas um minuto e envia toda a informação para um smartphone conectado ao dispositivo. O Matibabu é barato, reutilizável e, como o procedimento não é invasivo, não requer tratamento especializado.

Enquanto lês este artigo, perguntas-te o que há de novo desde a invenção do Matibabu? A resposta está abaixo.

Brian Gitta é o primeiro vencedor do Uganda e o mais jovem a ganhar o “African Prize”, o maior prémio de África dedicado à inovação em engenharia, fundado pela Royal Academy of Engineering, no Reino Unido.

“Estamos muito orgulhosos do vencedor deste ano. É um exemplo perfeito de como a engenharia pode desbloquear o desenvolvimento – neste caso, melhorando os serviços de saúde “, disse Rebecca Enonchong, júri do prémio.

Brian Gitta – African Prize

A malária afeta cerca de 300 milhões a 600 milhões de pessoas por ano em todo o mundo, segundo a Unicef. Só a África subsaariana representa 90% das 580 mil mortes anuais de malária no mundo.

No entanto, em África, o número de óbitos foi reduzido significativamente em 66%, devido a um número alargado de intervenções, como as redes de distribuição gratuita de tratamentos e aumento do financiamento para a compra de medicamentos mais eficazes.

Marrocos e Egito foram os únicos países africanos declarados livres da malária. África do Sul, Senegal, Botsuana, Comores, Argélia e Cabo Verde estão no mesmo caminho para eliminar a doença até 2020.

Em 2015, cientistas da Nigéria desenvolveram com sucesso um produto para testar a urina de um paciente com malária, em vez de um exame de sangue. Além disso, cientistas da Universidade da Cidade do Cabo descobriram um composto que tem o potencial de bloquear a transmissão humana do parasita da malária, e no Burkina Faso também foi desenvolvido um sabão repelente contra mosquitos feito a partir de ervas naturais.

Os cientistas e engenheiros africanos, juntamente com a Matibabu, estão na frente das inovações e descobertas para consignar a malária e outras doenças à história.

Subscreve a nossa newsletter e fica a par de tudo em primeira mão!

PUB