PUB

Cooliebadboi explica tudo e mais alguma coisa sobre “Son Of Maria”

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

Já apresentámos aqui Cooliebadboi, quando este lançou o seu primeiro álbum de originais, Son Of Maria, o seu álbum de estreia. Desta vez, Eddie Pipocas foi até aos estúdios da SOUND PLACE para falar com o artista e perceber melhor tudo o que se passou durante o processo de produção do álbum.

Son Of Maria não é um registo qualquer, mas sim um capítulo especial na carreira de Coolie, por trazer a sua intimidade ao público com mensagens que mostram a real perspetiva do rapper, envolvendo as suas inseguranças, traumas de infância e outros episódios que marcaram o seu crescimento.

[Son Of Maria] Foi um álbum muito premeditado. Muitos dos conceitos e das ideias que tinha no álbum já as tinha há muito tempo e isso permitiu-me que, quando chegasse o tempo de gravar o álbum, o processo fosse muito rápido, e realmente foi muito rápido”, explica Coolie.

“It’s a match”, expressão usada na rede social Tinder quando se verifica compatibilidade entre pessoas, talvez seja o bordão ideal para definir o momento em que Coolie ouviu pela primeira vez os trabalhos de Boncho, um dos produtores musicais do álbum, que culminou na obra que foi lançada no segundo dia de outubro. Apesar de contar com a participação de vários produtores como Kenobi, Rui Miguel, Matthew Grunewald, grande parte do processo de produção do álbum esteve sob alçada de Bonjo Boncho, profissional que captou a atenção do rapper desde o primeiro momento.

“Escutei os beats e imediatamente fiquei tipo: ‘vou trabalhar com esse gajo’. Ele [Boncho] conhece-me bem como artista e eu confio muito na direção [musical] dele”, disse o rapper.

Por trazer um título sugestivo e que faz referência direta ao facto de ser filho de Maria, quando questionado sobre a paternidade, Coolie afirma com clareza que a “presença de um pai para qualquer criança é extremamente importante” e explica a forma como a ausência de uma figura masculina dentro de casa afetou o seu crescimento como pessoa e como artista.

“Eu era um puto maningue [muito] nervoso. Não era muito violento, mas a raiva era sempre interna e isso fez com que eu passasse mais tempo sozinho a criar músicas. Só assim é que eu sabia tirar essa raiva”, desabafou Cooliebadboi.

Assiste ao vídeo onde Coolie explica o processo criativo completo da obra, o seu modus operandi em estúdio e a sua transição do Soundcloud para plataformas de streaming como Spotify e Apple Music.

Subscreve a nossa newsletter e fica a par de tudo em primeira mão!

PUB