PUB
Dino D'Santiago
FOTO: Nash Does Work

Todo um “Mundo Nôbu” de Dino D’Santiago

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

Vem de Cabo-Verde, passa por Angola, Praia, Luanda, Nova Iorque, Berlim, Londres e depois encontra-nos em Portugal. É essa a viagem que o novo álbum do Dino D’Santiago fez para nos trazer o que de melhor existe, a música na sua plenitude, com uma mistura de culturas e vibrações.

Dançamos ao som do Funaná mais moderno, de uma Morna mais convidativa, de uma Kisomba mais dançante e de um Afro-House mais electrónico, “Mundu Nôbu” é um profuso rítmico entre a língua portuguesa e o crioulo badiu (dialecto do crioulo cabo-verdiano falado na ilha de Santiago, Cabo-Verde) que celebra a vida e celebra a união.

Dino, canta Cabo-Verde, canta Lisboa, canta num mundo novo e canta a “Africa di Nôs” (nossa África). A produção dessa junção de músicas é de Seiji e Kalaf Epalanga, produtor executivo do álbum, nele assinam também a dupla de produtores Branko & PEDRO da Enchufada, figuras incontornáveis da música de dança global na cidade que é invocada no hino “Nova Lisboa”.

“Nôs Funana” traz os bons ventos da Ilha de Santiago, Cabo-Verde, como o testemunho dos seus representantes, Bino Branco dos Ferro Gaita. O nova-iorquino Rusty Santos, sentiu-se inspirado pela maravilha da terra morabeza e assinou a co-produção em “Nôs Funaná”, que não é um Funaná normal, é mais lento, com olhar sobre o mar, as crianças a correr, as ruas cheias de movimento, um sol de invejar, e sorrisos que contagiam, dão início à música.
“Fidjo de Poilon” é uma excitante Kizomba inesperada que nos faz levantar de imediato, faz-nos perder o controlo dos pés, do espaço e tempo, é a música que dança connosco. Com Loony Jonhson ouvimos “Nôs Crença”, uma mistura que vagueia entre a morna e o pop, que nos faz acreditar que se perdemos a crença, não somos ninguém.
Quando falamos de artistas talentosos temos claramente de mencionar que Dino D’Santiago trouxe neste album a doçura de Cesária Évora, a balada de Bana e o Funaná dos Ferro Gaita e de Zeca Nha Reinalda, trouxe Cabo-Verde para o mundo, uma aproximação da tradição à música electrónica de apelo global.
Mondu Nôbu, é um álbum intemporal cantado em crioulo com sabor a cachupa, cuscuz di nôs bedja (nossa avó, traduzido para português) e com aperitivos portugueses que caracterizam a Lisboa moderna. Mundu Nôbu é o álbum onde cabe toda a vida de Dino.

Subscreve a nossa newsletter e fica a par de tudo em primeira mão!

PUB