PUB
Foto: Shareif Ziyadat/WireImage/Getty Images

FBI investiga juíza que esteve envolvida no caso Meek Mill

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

Meek Mill foi condenado a uma pena mínima de dois anos, na semana passada, por ter violado por duas vezes os termos de liberdade condicional. O rapper foi preso por uma luta no Aeroporto de St. Louis e mais tarde por conduzir de forma criminosa em Nova Iorque, nos Estados Unidos da América. Na altura, as acusações foram retiradas e os procuradores não recomendaram tempo de prisão.

Ler +XXXTentacion acusa Migos de agressão à saída de um hotel em Los Angeles

Agora a decisão tomada pela Juíza Genece Brinkley, de Philadelphia, obteve uma resposta imediata por parte dos advogados de Meek, dos fãs, das celebridades, em especial da comunidade do Hip Hop. Jay-Z e Kevin Hart disseram que a situação não passa de um descuido e de um pequeno exemplo como o sistema de justiça norte-americano está cheio de problemas.

Entretanto, foi criada uma petição para aterrar a sua sentença que alcançou as 25 mil assinaturas. Ainda na noite de segunda-feira, foi organizada uma manifestação à porta do Centro Criminal de Justiça, em Philly, de apoio a Meek Mill. Em baixo, podes ver as imagens recolhidas pela CBS da situação, onde Rick Ross foi um dos speakers.

Em Dallas, Texas, durante um concerto da sua Tour, Jay-Z parou para falar sobre a situação de Mill: “Eu tenho um coisa para dizer sobre um jovem chamado Meek Mill. Aos 19 anos, foi acusado. Agora, com 30 anos, tem estado sobre liberdade condicional nos últimos 11 anos.”

Já, Kevin Hart utilizou a conta de Instagram do rapper, para falar sobre a situação e apoiar a petição.

https://www.instagram.com/p/BbXr2qCAulF/?taken-by=meekmill

Joe Tacopina e Brian McMonagle, os advogados de Meek Mill, vão recorrer do resultado da sentença e investigar os motivos da Juíza Brinkley. Isto porque segundo Tacopina, em 2008, foi a Juíza Brinkley que esteve encarregue do caso relativo às acusações de posse de armas e de drogas. O advogado adiantou ainda em entrevista à TMZ e à Billboard, que Genece Brinkley manteve desde sempre ma relação pouco profissional com o réu.

“Ela costumava aparecer durante o seu serviço comunitário junto dos sem-abrigo. Ela aparecia sentava-se à mesa. Ela é uma juíza. Podemos perguntar a qualquer juiz da América quantas vezes visitaram as pessoas a cumprir o seu serviço comunitário e a resposta seria zero” disse Tacopina à Billboard.

Além disso, Brinkley terá pedido a Meek Mill para deixar a sua editora, Roc Nation e assinar com um amigo seu, gravar uma música dos Boyz II Men e prestar homenagem a ela. O The Fader escreveu que uma equipa contratada pelo rapper estava a organizar uma petição legal para que a juíza fosse afastada do caso.

” Com base no comportamento de Mill ao longo dos anos, sabíamos que estava aqui um problema. A Liberdade condicional deveria ter terminado em 2013, e aqui estamos, quase em 2018 e ainda com problemas técnicos e com limitações para viajar, mesmo sendo em trabalho. Ela tem a possibilidade de estender a pena por mais cinco anos e continuar no controlo.”

A boa notícia é que o FBI tem estado a investigar a juíza e o seu comportamento ao longo das sessões em tribunal. A presença de agentes à paisana durante as audiências tem sido uma constante desde abril de 2016, de acordo com a informação revelada ao Page Six, por uma fonte anónima.

Subscreve a nossa newsletter e fica a par de tudo em primeira mão!

PUB