PUB
Graça Castanheira
DR

“Cada branco tem uma desculpa para não fazer nada”, Graça Castanheira

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

Graça Castanheira é a realizadora por trás da curta-metragem Pele Escura – Da Periferia para o Centro, que estreia-se já no dia 4 de julho, no Centro Cultural de Belém em Lisboa.

É exatamente nesse espaço, na capital lisboeta, onde centra-se a narrativa do filme. Seis amigos negros, de locais diferentes da periferia, decidem deslocar-se ao Centro Cultural de Belém para assistir a um espetáculo. Alternando o olhar entre o percurso de uns e de outros, ficamos a saber o que pensam e sentem enquanto se dirigem à cidade – Lisa, como lhe chamam. Uma reflexão sobre centro e periferia, negros e brancos, racismo e inclusão.

Graça Castanheira nasceu em Angola, na Huíla, é filha de colonos e há algum tempo que tem sentido a necessidade de extrapolar as suas certezas de pessoa não racista. É desse questionamento que nasce o seu sentido de ação antirracista e este primeiro filme, que foge do registo de documentário pelo qual pontua o seu currículo.

“Eu nasci em Angola, filha de colonos, só que era uma família progressista, portanto antirracistas e, durante toda a minha vida adulta, tenho vindo a defender-me com a ideia que não sou racista e que até a minha família, mesmo sendo colonos, não são racistas, e eu acredito que cada branco tem uma desculpa para não fazer nada. A minha era esta ‘eu nasci em África, mas nós éramos bons e sempre lutámos contra o racismo’. Houve uma altura em que pensei que isto não está bem, não vai ficar bem tão cedo, há muitas forças contrárias, há muitos interesses que querem perpetuar o racismo, porque dá jeito, e de que não vale a pena esconder-me por trás desta desculpa. Acreditei que a partir de uma certa altura era preciso fazer alguma coisa. Aquilo que eu pudesse”, explicou-nos em entrevista vídeo.

Partindo de uma ideia original de Kalaf Epalanga, Pele Escura faz-nos cogitar sobre os conceitos de pertença, não pertença, exclusão e inclusão territorial.

Graça reforça que este filme foi feito, sobretudo, “para ajudar os brancos”. Durante a sua experiência como professora há 20 anos, indica que só este ano teve pela primeira vez um aluno negro, uma consequência deste enclausuramento mental provocado por sistema político e social profundamente racista.

“Eu fiz este filme para chamar a atenção porque há poucas pessoas a estudar realização, há poucas pessoas negras nas escolas de cinema. Sou professora há 20 anos e tive este ano pela primeira vez o Falcão Nhaga, que vocês já entrevistaram, e que tirou o curso de cinema. Eu faço isto nos limites da minha branquitude para chamar a atenção porque as coisas têm de ser corrigidas, têm que haver bolsas de estudo, vai ter que se fazer alguma coisa, vai ter que se mudar o sistema. Portanto, tive esta vontade e depois foi-me difícil ter uma ideia sobre como falar sobre isto [por ser branca]. Acompanho de muito perto as ideias do Kalaf, acompanho as crónicas dele, e danço Buraka [Som Sistema] e fui ter com ele e passámos uma tarde toda a pensar e ele disse que não haveria nada mais cinematográfico do que esta ideia da periferia e do centro. E combinámos que as duas grandes periferias, as duas grandes linhas seriam o outro lado do rio e a linha de Sintra. A partir daí, fiz a construção de três personagens, um grupo de cada lado que confluíam para o centro”, disse.

Wilson André, Ruben Rosário, Nayela Simões, Karina Silva, Nilsa Pires e Paulo Pascoal são os atores que dão vida à história e o facto de serem de origem angolana deriva da necessidade de “criar uma unidade de expressão”. A ideia principal foi estabelecer um “espaço onde os negros pudessem fazer um papel que não fosse de escravo, de criado, de confronto com os brancos” e onde não houvesse uma imposição “de uma linguagem dos brancos (…), de um apuramento do português e de uma linguagem dominante”.

Com estreia marcada para este domingo, 4 de julho, no Centro Cultural de Belém, em Lisboa, Pele Escura – Da Periferia Para o Centro vai ser ainda o centro de várias conversas para que se reflita sob várias perspetivas e abordagens as temáticas que o filme aborda. Para tal, foram convidados oradores de áreas distintas do conhecimento: o investigador António Brito Guterres, o arquitecto Ricardo Bak Gordon, a atriz e encenadora Zia Soares, a cantora Selma Uamusse, a socióloga Karina Carvalho, a jornalistaPaula Cardoso, o sociólogo e fundador da plataforma de Reflexão Angola Manuel Dias dos Santos e o professor e historiador Diogo Ramada Curto, e a realizadora e diretor de atores deste filme, Graça Castanheira e Meirinho Mendes.

A primeira exibição do filme vai ter início às 15 horas e as conversas serão moderadas por Angella Graça, presidente da direção do INMUNE – Instituto da Mulher Negra em Portugal.

Subscreve a nossa newsletter e fica a par de tudo em primeira mão!

WP Post Author

PUB