PUB
Igor Regalla | DR
Igor Regalla | DR

Igor Regalla: “A Arte tem um poder incrível de chegar às pessoas”

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

Se dissermos que estivemos à conversa com Igor Regalla, que aparece muitas vezes na tua televisão, sabes de quem estamos a falar? Igor é actor e talvez o reconheças da telenovela da TVI, “Única Mulher”. Tem uma paixão enorme pelo Teatro e pelo Hip Hop em português e, em conversa com a BANTUMEN, partilhou as suas experiências e planos para 2017, que envolvem Eusébio, antiga glória do Benfica.

Natural da Guiné-Bissau, Igor, de 29 anos,  é o mais novo de quatro irmãos. Mudou-se para Portugal muito cedo, onde cresceu até aos sete anos, altura em que teve de regressar a Bissau porque o seu pai tinha uma empresa para gerir. Sempre foi um aficcionado pelos jogos de computador. Jogou até aos 18 anos, participou em várias competições, e para ser profissional só lhe faltava ser pago. “Sempre achei que a minha vida seria atrás de um computador. É aqui que estou confortável, é aqui que me sinto bem e estou feliz,” disse-nos o actor salientado que conheceu Portugal, de norte a sul, com o vício de jogar Counter Strike.

“Ser actor é muito mais profundo do que aquilo que parece”

“O que é que queres fazer da vida?” foi a pergunta que uma rapariga de quem gostava na altura lhe fez e que o levou a uma reflexão sobre o seu futuro. Na altura, a repetir o 12.º ano e com 18 anos, Regalla apercebeu-se que não ia jogar videojogos a vida inteira. Apesar de ser dos melhores gamers, ficava exausto psicologicamente ao final do dia porque jogava para competir de verdade.

Desde criança, quando via as novelas com a mãe ou a série “Morangos com Açúcar”, o actor sempre pensou que conseguia fazer melhor. “A ideia do sucesso de ser actor é uma ideia apelativa”, este era o mindset que Igor Regalla tinha antes de chegar à Escola Profissional de Teatro de Cascais, em 2007. “Cheguei à Escola de Teatro e percebi à séria o quer era um actor. Ser actor é muito mais profundo do que aquilo que parece.”

Actualmente, a informação a que temos acesso é muita e o tempo para a processarmos é o tempo de passarmos para o post seguinte do feed, por isso Igor defende que a instrução que teve na escola foi essencial porque o obrigava a pensar, a parar e a discutir ideias com outras pessoas de perspectivas diferentes. “É preciso tu como pessoa pensares no porquê das coisas, senão estás aqui só a ser mais um e isso não é assim tão interessante.”

“Foi fora do comum ter um aluno negro como o melhor da turma”

Depois do curso começou a trabalhar por trás do teatro, a fazer de assistente de encenação onde juntou muitos contactos e aprendeu com grandes actores portugueses como Dalila Carmo, Manuel Cavaco, Custódia Gallego, entre outros. Nesse percurso “parecia que estava a aprender e a ser pago ao mesmo tempo,” disse o actor.

A ambição de trabalhar sempre o levou muito longe. Em 2010, ao terminar o curso de teatro acabou por ser o melhor aluno da turma e o melhor aluno da escola naquele ano. “Diga-se de passagem que, foi fora do comum ter um aluno negro como o melhor da turma, quanto mais o melhor da escola”. Hoje em dia o actor continua a quebrar barreiras que em pleno século 21 não deveriam existir, ao participar em novelas da TVI como a Única Mulher, Igor sublinha que as pessoas o abordam estupefactas: “As pessoas param-me na rua e dizem-me que ‘é um orgulho ver pessoas como tu na televisão'”.

“O brilho com que eu vejo aquelas pessoas a olhar para mim é quase como se eu fosse o futuro, mas a verdade é que parece que não há muitos. Mas é claro que é importante ter os pés no chão e enaltecer o papel fundamental da formação.”

Contudo, a sua vida profissional nunca mais foi a mesma desde que conheceu Renato Godinho, no seu primeiro ano escolar. O seu “mestre”, como lhe chama Igor, convidou-o para trabalhar com ele na companhia de Cascais, onde também era director.  “O Renato Godinho foi mesmo o meu mestre durante este processo todo. Hoje em dia, ainda consulto-o bastante a nível profissional. É importante para mim ter o ponto de vista dele. O Renato é das pessoas que eu mais respeito em todas os aspectos. Sempre fez acontecer, nunca ficou a chorar por nada. E sempre o segui muito como exemplo e a verdade é que tem dado bastantes frutos.”

“A maior parte das pessoas vive uma vida que não é aquela que queria”

Sempre com o hip hop português como banda sonora, ao longo de sete anos de carreira e, mesmo com o apoio dos pais, Igor sempre teve a mentalidade de se safar sozinho. No balanço das contas, a sua percentagem de sucesso dos castings tem sido bastante positiva, contando com diversas nomeações para prémios e o bom feedback das pessoas à sua volta. “Ser actor em Portugal é difícil e eu não vou aconselhar os meus filhos a seguir este meio,” disse. Justifica que a incerteza” de ter trabalho é uma dor horrível na vida de qualquer actor. Mas quando o amor pela arte é em demasia não existe apenas uma função para desempenhar, tenta-se contribuir da melhor forma com o que sabemos. Para Igor o ser actor e realizador são um só. “Quando eu acredito na Arte é neste sentido: A Arte tem um poder incrível de chegar às pessoas.”

O primeiro videoclipe que realizou foi de um spoken word que o Valete, rapper português, lançou no Facebook. Nunca estudou para ser realizador mas quando ouviu a música, Igor sentiu que tinha de dar vida ao que o artista estava a tentar transmitir às pessoas, porque se identificava com a mensagem e por uma homenagem ao teatro. Para esse trabalho, e juntamente com um amigo, Igor foi realizador, foi produtor e mexeu todos os cordelinhos para que o resultado final desse certo. Chegou a oferecer o seu quarto para a famosa cena de masturbação do padre. “A maior parte das pessoas vive uma vida que não é aquela que queria. Toda a gente anda aqui com uma máscara e a fazer o que socialmente pode ser aceite,” disse o actor.

Se nunca viste, vê em baixo o videoclipe de “Baile de Máscaras”, de Valete.

O feedback de Valete e de todo o público que viu o resultado final foi o melhor possível e, para Igor Regalla, a primeira experiência foi inesquecível, tanto que actualmente esteve a trabalhar com Valete num videoclipe novo.

Um ano depois, no Cascais Shopping, cruzou-se com Prodígio e NGA, metade do grupo Força Suprema e a partir desse momento a sua vida mudou. Para o actor, o rapper NGA fez com que Igor pudesse passar a considerar-se realizador. “O NGA fez com que eu pudesse passar a dizer às pessoas que eu era realizador. O NGA deu-me meios para eu poder fazer um videoclipe à séria. Para mim, será para sempre o artista que mais vou respeitar,” explicou.

Igor Regalla realizou o videoclipe oficial da música “Difícil”, do álbum Atitudecom total liberdade criativa do músico para com o realizador. Este foi o primeiro trabalho profissional como realizador e logo com uma responsabilidade enorme. Primeiro por ser o grupo Força Suprema, o grupo mais badalado do hip hop em português e depois pela admiração que Igor tem pelos quatros membros, em especial pelo NGA.

A música é uma injecção para tudo o que eu faço e acompanha-me para todo lado. Para mim o “Difícil” diz-me muito pela mensagem que tem e o NGA para mim diz-me muito como rapper. É um dos melhores rappers em Portugal”, disse o actor acrescentado que além do rapper luso-angolano, Sam The Kid introduziu-o ao hip hop e que foi a mensagem de Valete que o conquistou.

O resultado do videoclipe não poderia ter sido o melhor, com NGA super satisfeito e, a Platinaline, uma plataforma angolana de comunicação, nomeando o vídeo como um dos melhores do ano de 2015.

Actualmente, está a cumprir o sonho de um vida ao representar Eusébio, o “pantera negra”, antiga glória do Benfica, num filme biográfico intitulado de Ruth. Igor considera uma honra poder vestir a pele de uma personalidade que quebrou imensas barreiras só a jogar à bola.

“Esta é a melhor oportunidade que já tive na minha vida. Porque Eusébio foi uma pessoa que rasgou com isto tudo só com o simples amor de jogar à bola. Quebrou barreiras e mudou mentalidades. Eusébio só houve um, ” disse Igor que acrescentou ainda “por o protagonista ser um negro, estas oportunidades são raras”, mas acredita que o panorama está tudo a mudar.

Em paralelo, por amor à camisola e muita dedicação, continua a realizar sempre que tem oportunidade. Este novo vídeo conta com o nome da Afro Digital mas Igor entrou no processo a meio e colocou uma mãozinha sua. “Como realizador estou a viver o meu sonho agora até por estar a trabalhar com Valete,” sublinhou o actor.

O actor e realizador diz sentir-se completo e num estado de plena felicidade numa altura da vida em que interpreta duas personalidades que mexeram com a história de Portugal. Um foi um representante do povo português enquanto jogou futebol e que agora descansa no Panteão Nacional, em Lisboa e outro é um rapper que fez chegar a sua mensagem a todos os ouvintes da lusofonia nos últimos 15 anos.

Estas parecem não ser tarefas muito fáceis de executar, mas Igor encontra motivação no seu plano de reforma: “Um dia vou voltar à Guiné-Bissau e gerir um canal de televisão. Até lá, passo a passo que ainda há muito a fazer por estes lados”.

Fica com a entrevista em vídeo do actor e realizador abaixo.

 

[mc4wp_form id=”24174″]

Subscreve a nossa newsletter e fica a par de tudo em primeira mão!

WP Post Author

PUB