PUB
Isabél ZUAA
📷: Fabio Braga

Isabél Zuaa em nova minissérie com António Fagundes

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

Isabél Zuaa, atriz e dançarina de 34 anos e uma das Personalidades Negras Mais Influentes de 2021 pela lusófona PowerList100, faz parte do elenco da série brasileira “Independências”, que estreia no dia 7 em comemoração aos 200 anos de independência do Brasil. Isabél vai interpretar o papel de Pelegrina, filha de uma mulher escravizada, interpretada por Margareth Menezes).

Apesar de não ser a personagem principal, Pelegrina é um dos elementos centrais da trama, sendo a narradora omnipresente da história ou griote – como são conhecidas as contadoras de história nos países africanos. Inspirada na cosmologia africana e na cultura angolana – dominante na época considerando as origens da maioria das pessoas escravizadas raptadas do continente africano -, Isabél Zuaa decidiu aprender a falar kimbundi, língua falada no noroeste de Angola.

Com a participação de um dos grandes nomes da dramaturgia brasileira, António Fagundes, Ilana Kaplan e a britânica Louisa Sexton, a minissérie de Luiz Fernando Carvalho retrata factos acontecidos nas primeiras décadas do século 19, desde racismo, fome, injustiça, opressão e jogos de oportunismo.

Além de “Independências”, Zuaa participou também na longa-metragem de Laís Bodanzky, A viagem de Pedro, que estreou-se no dia 1 de setembro nos cinemas. Neste filme, Isabél interpreta a personagem Dira, uma fugitiva que entra no navio inglês que leva D. Pedro a Portugal, em 1831, nove anos após a proclamação da independência do Brasil. Neste filme, a atriz é protagonista de uma cena íntima com o ator brasileiro Cauã Reymond.

Em entrevistas à imprensa brasileira, a atriz revela que não a agradava a forma como a sua personagem foi descrita pela roteirista e decidiu então, durante as filmagens, dar mais relevância ao papel. Mesmo não sendo a peça central da trama, Zuaá justifica-se com a importância de mudar a “narrativa da mulher negra”.

A primeira cena alterada foi a aula sobre a sexualidade e o prazer feminino, a um grupo de homens que trabalhavam no navio, e a segunda tratou-se do desfecho da sua personagem que originalmente seria presa quando chegasse a Portugal.

Filha de mãe angolana e pai guineense, Isabél nasceu e cresceu em Portugal, onde viveu até 2010. Foi nesse ano que a atriz resolveu fazer um intercâmbio pelo Conservatório de Escola Superior de Teatro e Cinema de Lisboa e também pela Universidade Federal do Rio de Janeiro estudou dança com a Urino. O intercâmbio tinha uma duração de seis meses mas Zuaá decidiu estender a sua estadia pelo Brasil.

Foi lá que iniciou a carreira como dançarina, seis meses após ter chegado ao país, com o coreógrafo Gustavo Ciríaco com quem trabalhou até 2020.

Faz parte também do seu currículo a participação na obra cinematográfica de Marcos Dutra e Juliana Rojas “As Boas Maneiras”, pelo qual ganhou o prémio no festival de Zingoak em 2018 e no festival de Sitges, em 2017.

Apesar de ter levado mais tempo a ganhar destaque no meio da dramaturgia, nos últimos anos a atriz tem conquistado vários feitos, sobretudo no Brasil. Recebeu o prémio de Melhor Atriz no Festival de Gramado em 2020, pelos filmes Um Animal Amarelo, de Felipe Bragança e Deserto Estrangeiro, de Davi Pretto.

No drama realizado por Marcelo Gomes, recebeu o prémio de Melhor Atriz Secundária no CineEuohoria em 2018, e em Fest Aruanda de 2017 recebeu o mesmo prémio pela longa-metragem de Porto Motta, Nó do Diabo.

Subscreve a nossa newsletter e fica a par de tudo em primeira mão!

PUB