PUB
Jay Arghh | DR
Jay Arghh | DR

“Os rappers moçambicanos são muito bons e, se tivessem mais exposição, o mundo saberia”, Jay Arghh

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

No meio moçambicano, Jay Arghh dispensa qualquer apresentação. Apesar de atualmente estar mais exposto enquanto rapper, na sua veia artística corre talento enquanto cantor, produtor e compositor. Aproveitámos o lançamento do seu último trabalho, Yasuke, para saber mais sobre o mesmo e sobre o artista.

Yasuke, cujo título é inspirado no primeiro samurai negro da história e que tinha origens moçambicanas, é um EP com oito faixas e que nos apresenta as colaborações de Carmen Chaquice, Mark Exodus, Hot Blaze, Hernâni, Stefania Leonel , Slick the Kid e Lay Lizzy.

O projeto é uma espécie de analogia em relação à grandiosidade do hip hop moçambicano e a sua falta de reconhecimento extra-muros. “Fi-la especialmente para esta época da pandemia e com colaboração de grandes artistas moçambicanos que tanto admiro”, explicou.

Na produção da obra vemos as assinaturas de vários produtores, como Beatmakers JrXo, Keybevtz, Lydasse GMT, SixO e Psycho.

Quisemos saber que música mais gostou de produzir e a surpresa não poderia ser maior. A faixa sete, “Diminuir” tem uma letra que poderá criar animosidade com o público feminino. Afinal, a música fala sobre como a mulher, de acordo com o artista e numa visão patriarcal, deve comportar-se e vestir-se quando está numa relação.

Jay explica do que nos fala “Diminuir”. “É uma música que retrata problemas de relações, em que o “damo” pede que a dama diminua certas atitudes, visto que é a primeira estar sempre nas baladas, a segunda parte é a maneira de vestir, e a terceira é a maneira de discutir.”

Sobre o seu percurso enquanto artista, Jay, cujo nome de registo é José Gil Chiquela Júnior, nasceu e cresceu no seio de uma família de músicos. O pai tocava baixo e os irmão mais velhos também faziam composições. Um deles, o Kiko, foi a sua maior inspiração ao fazer parte dos Elex, um grupo de sucesso no país. Aos oito anos entrou para a escola Nacional de Música. “Eu acho que a música é que me escolheu, porque desde que me tenho como gente que me recordo de estar em ambientes rodeado de música”, disse-nos.

O hip hop faz, indiscutivelmente, parte de si. “Amor, tenho certeza que é amor. Porque é duradouro. É também paixão até certo ponto porque está sempre quente, é perigoso, mas com certeza é amor mesmo e será algo que farei a vida inteira”. Contudo, o artista deixa-se também navegar por outros mares, como o do rnb, jazz, bossa nova, trapsoul, entre outros.

Na sua lista de influências atuais, Jay Arghh inscreve nomes como Eminem, Blaze, Kamane, Mark Exodus e Totó ST. Na sua playlist, o destaque é sobretudo para o hip hop moçambicano. “95% do que escuto é hip hop moçambicano. Tenho Allan, Case, Hernâni, Trovoada, Nicotina, De la Vega, Trapboys, TRKZ, Keybeatz, Hyuta Cezar, Konfuzo, Djimetta, Bangla10, HenzoxRibeiro, KIBA The Seven e muitos outros”.

De acordo com o artista, a qualidade da música feita na Pérola do Índico, sobretudo pela nova escola, é inquestionável. “Os rappers moçambicanos são muito bons no que fazem e, se tivessem mais exposição, o mundo saberia disso. Tem rappers com muita habilidade lírica. Tanto em flow, rimas, punchlines, intervenção social e musicalidade, principalmente os novos talentos.”

Nestes tempos de covid-19, a arte foi um dos setores duramente penalizado, considerando a paragem praticamente total de todos os eventos.  É muito frustrante, porque não podemos dar shows grandes, e não podemos viajar para atuar”, explica Jay. E o mais complicado é perceber uma certa “inactividade” governamental em relação à Cultura. “Sinto me esquecido na minha arte, porém acredito que eles estejam a trabalhar para enaltecer a génese da cultura moçambicana, que são os ritmos originários daqui. Daí que posso entender não haver suporte na minha área. Mas sinto que haja um trabalho a ser feito para que se melhore as condições dos artistas no geral. Paulatinamente, mas acredito que haverá mudanças.”

Quisemos também saber o que o rapper está a preparar para 2021 e parece que já há novo trabalho na calha. “Considero-me um artista versátil. Nunca sabes o que te espera numa música em que participo ou faço. E já para o próximo ano, vamos ter um álbum. Será algo muito íntimo”.

Para ouvir o novo EP de Jay Arghh, basta acederes às plataformas digitais de streaming, como o Spotify.

Relembramos-te que a BANTUMEN disponibiliza todo o tipo de conteúdos multimédia, através de várias plataformas online. Podes ouvir os nossos podcasts através do Soundcloud, Itunes ou Spotify e as entrevistas vídeo estão disponíveis através do nosso canal de YouTube.

Podes sugerir correções ou assuntos que gostarias de ler, ver ou ouvir na BANTUMEN através do email redacao@bantumen.com.

Subscreve a nossa newsletter e fica a par de tudo em primeira mão!

No Comment.

Artigos Relacionados

Chimamanda Ngozi Adichie

17,90 

PUB