PUB

Nove razões para não leres “Também os brancos sabem dançar”, de Kalaf Epalanga

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

Se o título deste artigo fosse “Nove motivos para leres Também os brancos sabem dançar, de Kalaf Epalanga”, terias clicado no link? Pois este é um clickbait saudável. Nas próximas linhas explicamos o porquê.

Kalaf está a tornar-se num clássico do movimento urbano lusófono, quer a nível musical, visto ser fundador de um dos grupos de maior sucesso dos últimos dez anos da música electrónica empregnada de kuduro, a nível fashion, considerando o seu impecável savoir vestir, ou ainda a nível literário, depois de ter lançado o tão bem-sucedido livro de crónicas O Angolano que comprou Lisboa (por metade do preço) e o Estórias de Amor para Meninos de Cor.

Depois de nos ter habituado a ler as suas crónicas no português Público e no extinto Rede Angola,  Kalaf Epalanga aventurou-se a escrever uma auto-ficção sobre uma viagem de autocarro da cidade sueca de Gotemburgo para Oslo, a capital da Noruega, onde vai actuar nessa noite no festival OYA, com os Buraka Som Sistema. Mas o artista perdeu o seu passaporte e, na onda de azar, foi detido pela polícia por tentativa de imigração ilegal e conduzido à esquadra da polícia para interrogatório.

O que fazer? Explicar quem são os Buraka Som Sistema? Falar da cena musical de Lisboa? De como nasceu o Kuduro num musseque de Luanda? De Luanda a Kristiansund, de Beirute ao Rio de Janeiro, sem esquecer a sua amada Lisboa, o romance vagueia entre datas e lugares que te farão querer “devorar” as 371 páginas de uma só vez.

Kalaf Epalanga

Abaixo, deixamos-te nove motivos para comprares o livro Também os brancos sabem dançar.

1 – Vais descobrir por que a antiga discoteca Mussulo, em Lisboa, foi um ex-líbris cultural angolano na capital portuguesa.

2 – Kalaf explica-te por que todo o estrangeiro africano teme ir a uma missão consular de um país acima da linha do Equador pedir um visto.

3 – Vais entender a origem do kuduro ou por que este género é um sucesso.

4 – Kalaf explica-te por que foi Hochi Fu importante na redefinição visual do kuduro.

5 – Como dizer não, com estilo, a pessoas endinheiradas.

6 – Como surgiu a inesperada participação da muldialmente conhecida cantora M.I.A numa música dos Buraka Som Sistema, cuja produção foi de DJ Znobia.

7 – Sempre com um fio condutor surpreendente, saímos, por exemplo, da frenética e eclética Barcelona do início dos anos 2000 e passamos a 4 de Fevereiro de 1961, quando Neves Bendinha, Paiva Domingos da Silva, Raul Leão, Domingos Manuel Mateus e Imperial Santana intentaram uma revolução.

8 – Kalaf vai fazer-te (re)ouvir “I Am” e “1 para 2” e relembrar por que Bruno M está para o kuduro como Tupac está para o hip hop.

9- Vais descobrir por que é que Cavaco Silva, sim, o ex-presidente de Portugal, inventou a kizomba.

Para matar a curiosidade, basta comprar o livro nas várias livrarias disponíveis online.

Subscreve a nossa newsletter e fica a par de tudo em primeira mão!

WP Post Author

PUB