PUB
Welket Bungué

Welket Bungué leva “Matéria Noturna” ao Festival Internacional de Curitiba

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

Matéria Noturna, do realizador brasileiro Bernard Lessa e co-produzido por Welket Bungué e Shirlene Paixão, vai estrear-se no 10.º Olhar de Cinema, o Festival Internacional de Curitiba, no Brasil.

A trama acontece na cidade brasileira de Vitória e conta a história de Jaiane (Shirlene Paixão) e Aissa (Welket Bungué), um marinheiro moçambicano, que, devido a um problema elétrico no seu navio, é obrigado a ficar alguns dias naquela cidade.

Jaiane é uma mulher negra de personalidade forte, que vive à deriva entre a solidão e instabilidade da sua vida, como motorista da Uber e cantora de samba num bar, e o contexto político problemático que tomou de assalto o Brasil e que acaba por invadir a sua esfera pessoal. Já Aissa, esforça-se para ter uma experiência real em solo firme. Num bar local, ambos acabam por encontrar-se e apaixonar-se. “Se essa paixão, por si, pode não ser suficiente para pôr fim à deriva de ambos, ela pode ao menos devolver-lhes o seu espaço de ação no mundo, a sensação de estarem vivos, e isso talvez seja exatamente o que eles precisavam para levantar a cabeça e seguir vivendo”, lemos na sinopse do filme.

Welket aparece nos créditos deste filme como ator e produtor e, em conversa com a BANTUMEN, deu-nos o seu olhar sobre o cada vez maior surgimento de narrativas cinematográficas brasileiras centradas na experiência afrodescendente.

“O Brasil é um mercado altamente diversificado, mas também tem algumas coisas que têm de mudar e melhorar. Nos últimos anos as narrativas têm sido muito mais empoderadoras da cultura afrobrasileira e têm-se orientado numa direção diferente daquelas que foram os sucessos de bilheteira dos anos 2000. Os realizadores estão muito mais conscientes desta lógica de afrocentricidade. A Matéria Noturna reflete um pouco sobre isso”, explica.

O ator e líder da produtora Kussa acrescenta que começa agora a existir um trabalho conjunto para a desconstrução de paradigmas e estereótipos.

Matéria Noturna foi filmado em 2019, surge depois uma relação de amizade de seis anos entre Bungué e Lessa e que, apesar do “orçamento bastante condicionado”, vê agora a luz do dia através do Festival de Cinema de Curitiba e tem previsão de chegada às salas de cinema no segundo semestre de 2022.

“Este festival é um dos que está melhor cotado no Brasil e temos uma distribuidora que está já incumbida de distribuir o filme internacionalmente. O festival é importante porque gera crítica e quando há mercado o teu filme fica ali disponível para os compradores e isso é que faz com que o filme consiga ter estreias e exibições internacionalmente”, disse-nos o ator e produtor.

Questionado sobre a viragem do cinema para o streaming, forçada pela pandemia, Welket afirma que o “cinema não é pensado nem feito para ser visto através de uma interface como o computador”, sendo esta uma condição momentânea e que espera que retome o seu curso habitual.

Durante a nossa curta conversa, Welket evidenciou também a sua necessidade de proporcionar à Guiné Bissau novas possibilidades no sector artístico.

“O meu foco está além de todos os lugares onde o cinema me tem levado, e falo isto com toda a humildade. No limite há uma série de problemas, ligados à subexistência de aparelhos culturais, nomeadamente no meu país, Guiné Bissau, que estão no meu foco e gostaria de, num longo prazo, poder contribuir para isso em termos físicos e pragmáticos com o melhor que sei fazer que é a realização e atuação. A médio e longo prazo o meu desejo é fundar um centro de residências culturais na guiné que possa proporcionar mais oportunidades de intercâmbio a outros talentos guineenses, para que daqui a 20 anos eu não seja apenas uma referência e ser visto também como alguém que abriu portas e que proporcionou a outros irmãos e irmãs explorar o melhor da nossa cultura.”

Welket Bungué é artista transdisciplinar, de etnia balanta. Considera-se de origem guineense-português, tendo nascido na Guiné-Bissau (região de Xitole) a 7 de fevereiro de 1988. Reside em Berlim, mas trabalha artisticamente ao nível internacional.

É co-fundador da produtora KUSSA, faz locução para entidades internacionais, desenvolve Escrita Dramática, Argumento de Cinema, Performances e Teatro. É licenciado em Teatro no ramo de Atores (ESTC/Lisboa) e pós-graduado em Performance (UniRio/RJ). É Membro Permanente da Academia Portuguesa de Cinema desde 2015, e membro da Deutsche Filmakademie desde 2020.

Em 2019, o artista foi distinguido com o prémio “Angela Award – On The Road” no Subtitle Festival em Kilkenny, na Irlanda. Em 2020 foi o protagonista de Berlin Alexanderplatz (Comp. Intl. Berlinale 2020), realizado por Burhan Qurbani, em que a sua interpretação valeu-lhe uma indicação ao Urso de Prata e uma nomeação como Melhor Ator Principal nos prémios LOLA da Academia Alemã de Cinema (Deutscher Filmpreis). Mais recentemente, o ator foii notícia por fazer parte do elenco de Crimes of the future, do famoso realizador canadiano David Cronenberg.

Para breve, estará o lançamento do seu primeiro livro, Corpo Periférico.

Subscreve a nossa newsletter e fica a par de tudo em primeira mão!

PUB