PUB
Moçambique
Mônica Francisco

Moçambique no topo dos países com maior representação feminina no parlamento

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

No mundo da política, Moçambique é o grande vencedor a nível de representação feminina. A pérola do Índico ocupa o respeitável 19.º, à escala mundial, com 42,4% de mulheres no Parlamento. Apesar do resultado positivo, em 2014 o país posicionava-se em 14.º, o que significa uma queda da sua posição no estudo da ONU Mulheres, a entidade para a igualdade de género das Nações Unidas, em parceria com a União Interparlamentar.

Dentro da CPLP, no 22.º lugar da classificação está Portugal, com 40% de mulheres, e no 32.º Timor-Leste com 38,5%. Ocupando o 52.º está Angola com 29,6%. Já em 75.º está Cabo Verde com 19% e em 92.º São Tome e Príncipe, com 13%. O Brasil ocupa o 142.º lugar com 15,2% de mulheres no Congresso e 12,4% no Senado. Por último, está a Guiné-Bissau com 13,7% na posição 149. 

O estudo realizado indica que, em 193 estados no mundo, 9 mulheres são chefes de estado e 13 são líderes de governos, fazendo um total de 22 mulheres na liderança política a nível global. Moçambique e Portugal são os únicos dois países da CPLP que melhor posicionados estão, tendo mais de 40% do parlamento constituído por mulheres deputadas.

Dos 250 deputados que Moçambique tem, 106 são mulheres, o que significa 42,2%, acabando por ocupar o 19.º lugar da lista mundial de representação das mulheres políticas e Portugal ocupa do 23.º com 92 mulheres em 230 deputados.

Em 65.º lugar surge Angola, com 65 mulheres em 220 deputados, e Cabo Verde ocupa o 75.º lugar com 19 mulheres em 72 deputados, o que significa 29,6% e 26,9%, respetivamente.

A Guiné Bissau, no 149.º lugar com 13,7% de mulheres no parlamento e o Brasil com 15,2% ou 78 mulheres dos 513 deputados na Câmara Baixa. Com estas classificações, a nível dos falantes de português, Guiné e Brasil são os piores classificados da lista.

A nível mundial, o Ruanda é o melhor classificado, no primeiro lugar com 49 mulheres de 80 deputados, enquanto Cuba, que está no segundo lugar, tem 313 mulheres, num total de 586 deputados.

A diretora executiva da ONU Mulheres, Phumzile Mlambo-Ngcuka, considera que o estudo aponta que há “um progresso, mas muito pequeno e muito lento”.

Na África Subsaariana, Mali e Níger tiveram ganhos significativos na representação feminina, apesar dos desafios de segurança. O estudo aponta essas nações provam que o papel das mulheres nos processos de transição é a chave para seu empoderamento político. 

A mais baixa proporção feminina no Parlamento é da região do Oriente Médio e Norte da África, com 17,8% em média. Com exceção da Nova Zelândia, o número de mulheres parlamentares no Pacífico permanece baixo ou nulo. 

Relembramos-te que a BANTUMEN disponibiliza todo o tipo de conteúdos multimédia, através de várias plataformas online. Podes ouvir os nossos podcasts através do Soundcloud, Itunes ou Spotify e as entrevistas vídeo estão disponíveis através do nosso canal de YouTube.

Podes sugerir correções ou assuntos que gostarias de ler, ver ou ouvir na BANTUMEN através do email redacao@bantumen.com.

Subscreve a nossa newsletter e fica a par de tudo em primeira mão!

No Comment.

Artigos Relacionados

PUB