PUB

“Adorava trabalhar com mais mulheres”, Nayr Faquirá

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

“Sem Rumo” de Nayr Faquirá vem abrir o ano da cantora, que não lançava novas músicas desde que saiu o álbum Misturas, em 2021. A música e o clipe oficial já estão nas plataformas de streaming e YouTube, respetivamente. Para este ano, a artista que levar o seu trabalho a mais pessoas e trabalhar com mulheres da indústria musical.

Com uma batida que relembra o estilo reggaeton e a influência de outros ritmos também mexidos, “Sem Rumo” é uma lufada de ar fresco e completamente apropriado para num momento de descontração, em sintonia consigo próprio/a e com os auriculares ao ouvido.

“A música reflete tudo o que vivo e vejo. Acho importante, para mim, haver esta conexão artista-pessoa. O single ‘Sem Rumo’ foi escrito e produzido numa altura em que tentava voltar a ganhar rumo na minha vida. Passei por uma fase chata, como todos passamos de vez em quando, e sentia que estava desmotivada e perdida num misto de emoções”, explicou.

De forma terapêutica, Faquirá procurou colocar todas as inquietações que lhe ocorriam na alma. Quando começou a escrever, sentiu que respondia a si mesma, sendo esse percurso serviu-lhe, de certa forma, de terapia.

“A ‘Sem Rumo’ traz desta forma a narrativa de alguém que se relembra do quanto é uma dádiva estarmos vivos e prontos para o que aí vem, seja isso o que for. Independentemente de nunca virmos a ter a certeza de para onde caminhamos”, elucidou.

Sobre a sonoridade, “tento sempre trazer esta referência world music ao rnb e, a partir daí, deixo fluir. O produtor Alec Chassain é alguém com quem já trabalho há anos e temos imensa música. Achámos que, refletindo a letra, a música em si devia ser quase como uma viagem.
Em termos de vídeo, a produção foi toda feita pelo Bernardo Pavão, um artista incrível que também já conhecia há algum tempo. Tentámos neste ponto também pegar na questão das referências culturais da minha música e usámos alguns sítios em Sintra, onde cresci”, disse.

Alec Chassain, em termos sonoros, o seu ponto de partida teve inspiração nas sonoridades árabe e indiana, muito presentes durante o crescimento de Nayr.

Quantos aos visuais estiveram à responsabilidade de Bernardo Pavão e Beja Design (Patricia Beja) na parte gráfica.

Os mais atentos notaram que no ano passado, Nayr lançou o álbum Misturas. No seu ponto de vista, o material foi “super bem recebido” e não contava com “tanta partilha e carinho”, frisando que as participações também deram um “boost” para que o álbum chegasse a mais pessoas.

“O valete foi um mestre e amigo importante neste lançamento e estou-lhe eternamente grata por todos os conselhos e partilha”, relembrou.

Para este ano, Nayr quer perder os medos e explorar ainda mais a mistura de sons que tem criado com outras pessoas e manifestou dois desejos: “Adorava trabalhar com mais mulheres na indústria e tocar mais ao vivo”, desabafou.

Subscreve a nossa newsletter e fica a par de tudo em primeira mão!

No Comment.

Artigos Relacionados

Coleção Black Power

16,90 

PUB