PUB

Os artigos mais clicados da semana | 23 a 29 jan

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

Na penúltima semana deste mês de janeiro, o artigo mais clicado foi a entrevista com o rapper brasileiro Projota. Na segunda posição ficou a entrevista com uma dos personalidades mais influentes da lusofonia, Morato Custódio, seguido da entrevista com o rapper D3GV$; a tragédia que matou várias pessoas no estádio Olembe em Yaoundé, onde decorre o CAN 2021, e, por fim, o artigo que antevê a celebração do Mês da Identidade Negra (#MIA2022), uma iniciativa da BANTUMEN.

PROJOTA: “PRECISAVA ME CURAR PARA DEPOIS PODER MUDAR AS COISAS AO MEU REDOR”

Sorridente, Projota me recebe no seu game room, onde faz transmissões online jogando games. Esse encontro não é presencial. A tela do Zoom nos separa, mas não impede que a troca de ideias seja fluida. Quase um ano antes conversamos via telefone para falar sobre o então lançamento de “Dia da Caça”, a primeira música dele após a saída do Big Brother Brasil (BBB), com mais de 90% de rejeição. 

Inevitavelmente, dessa vez, a participação do rapper no BBB está muito presente na conversa, mesmo o assunto girando em torno do álbum A Saída Está Dentro. Nas 11 músicas que o compõe, Projota expõe os seus sentimentos. “É um disco em que explorei ao máximo as minhas emoções, seja o amor ou o medo”, diz. A experiência que teve na casa direciona as composições. Se abrir foi uma forma que ele encontrou para se libertar de um fardo que vinha carregando. É um recálculo de rota. 

“A ÚNICA FORMA DE MUDAR ANGOLA DE FORMA PROFUNDA É TORNANDO-ME PRESIDENTE DA REPÚBLICA”, MORATO CUSTÓDIO

Morato Custódio é um ser inquieto. A expressão “parar é morrer” assenta-lhe na perfeição e serve-lhe de combustível para as mil e uma atividades que vai empreendendo. Vive com a condição autista, sofre de ansiedade crónica e, talvez por isso, tudo o que faz é planeado milimetricamente. E que não se pense que é apenas mais um visionário que acaba por tornar-se num guru do empreendedorismo das redes sociais. Morato é sobretudo um patriota que quer contribuir, em larga escala, para a melhoria das condições de vida dos angolanos. Depois disso, quer continuar a fazer exatamente o mesmo, na esfera política, como Presidente da República.

Eleito uma das Personalidades Negras Mais Influentes da Lusofonia, pela iniciativa #PowerList100, em 2021, e chamado para integrar o programa Obama Liders, em 2022, da fundação do ex-presidente dos Estados Unidos, Morato Custódio tem um currículo invejável dentro do mundo dos negócios.

O ‘NOVO’ D3GV$ QUER ESPALHAR A FILOSOFIA “UBUNTU”

Marcado pela mistura de vários tipos de instrumentais de rap e knowledge nas composições, o EP que abre o ano de D3GV$ (lê-se Degas) mostra uma nova fase mais madura do cantor e a assimilação da filosofia Ubuntu (eu sou porque nós somos), que dá título ao projeto.

Neste novo trabalho, o artista apresenta maior foco, força de vontade e prosperidade, na visão de jovem, pai, filho e artista.

CAN: TRAGÉDIA NO ESTÁDIO MATA PELO MENOS OITO PESSOAS

Pelo menos oito pessoas morreram e 38 ficaram feridas numa debandada de adeptos na entrada do estádio Olembe em Yaoundé, na segunda-feira, antes do início de jogo da Taça Africana das Nações, informou o Governo dos Camarões.

Num comunicado divulgado pela emissora estatal camaronesa, a CRTV, o ministro da Comunicação, René Emmanuel Sadi, disse que sete dos feridos encontram-se em estado grave.

MÊS DA IDENTIDADE AFRICANA EM PORTUGAL, UMA NECESSIDADE SOCIAL

O propósito do Mês da Identidade Negra (#MIA2022), à semelhança do que acontece há vários anos nos Estados Unidos, Brasil e Reino Unido, entre outros países, é ser um mês de celebração, em que propomos dar a conhecer caras e nomes de pessoas cujas vidas estão carregadas de história e de identidade africana no espaço geográfico português. Identidade, esse conjunto de características que nos tornam únicos, mas que no caso da comunidade africana se encontra muitas vezes restrito às quatro paredes do seio familiar, fazendo com que a vida se assemelhe a um duelo constante entre o “europeu demais para ser africano” e o “africano demais para ser europeu”.

Subscreve a nossa newsletter e fica a par de tudo em primeira mão!

PUB