PUB
Pikas
📷 : BANTUMEN

Pikas: “Eu era o nigga do freestyle não o da música”

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

No mundo das artes, há dois tipos de pessoas, os que se tornam artistas e os que nascem artistas. O último caso é o de Eduardo Tomás, mais conhecido por Pikas, cuja vida sempre fluiu acompanhada de música.

Quando miúdo, fazia questão de cantar tudo o que lhe ia aparecendo, mesmo quando desconhecia a letra. Segui a harmonia de como quem segue os BPMs sem mesmo saber o que são. O facto de não passar muito tempo com os pais ou irmãos fez com que a música fosse a sua maior companhia.

Como muitos dos que seguem os ritmos do hip hop, foi nas ruas que Pikas foi introduzido estilo. Na altura, em Angola, ouvia-se muito NGA mas, pelo conteúdo das letras, só mais velhos tinham acesso, nunca os mais novos. Nada que impedisse Pikas de conseguir ouvir o que queria. Como passava a maior parte do tempo na rua, daí até começar a fazer freestyle foi rápido. Sempre com a influência do rapper da LS. Aos 14 anos, pela primeira vez, entra num estúdio e abriu-se a caixa de pandora. A curiosidade por aquele mundo que agora fazia parte da sua vida agudizou-se.

“Eu era o nigga do freestyle e não o nigga da música. Tanto que a adaptação para escrever foi bué difícil. O pessoal sempre dizia que tinha de gravar, ‘Tens de fazer música’. O meu começo foi cheio de barreiras. Gravei uma mixtape de oito músicas em 2014 e não cheguei a lançar, porque houve um problema no estúdio e o tropa apagou todos os projetos, inclusive o meu”, explicou Pikas.

Entretanto saiu de Angola e veio para Portugal viver. Continuou a dar importância à música mas fez várias faixas com outras pessoas que também não foram lançadas. Entretanto, conheceu pessoas que percebiam de música, dos BPMs, do Mix & Master e de beats e que o levaram a perseguir o perfeccionismo. Só quando tudo estivesse bem estruturado é que seria a altura certa para lançar.

Tornou-se num rato de estúdio, escrevia, gravava e regravava até tudo ficar alinhado como achava que deveria ser. Os anos foram passando e só em 2020 é que lançou a sua primeira música oficial, ”Amor” .

Pikas confessou-nos que, antes de lançar, tentou sondar o mercado musical, as influências e os géneros musicais que mais se ouviam para tentar fazer algo diferente. “Quero marcar pela diferença. Sinto que sou uma mistura do Boom Bap, nasci nessa cultura, mas quando veio o Trap foi do género: eu posso fazer melodias no mambo”.

Antes do Rap, ouvia muito Rock e quis fazer também essa mistura. Como exemplo disso, lançou ”Joker”, a sua nova faixa, onde quis passar a mensagem de que dentro de todos, existe sempre uma pessoa como o Joker, fazendo alusão ao personagem interpretado por Joaquin Phoenix. O fracassado comediante Arthur Fleck, uma pessoa isolada, intimidada e desconsiderada pela sociedade, que inicia o seu caminho como uma mente criminosa após assassinar três homens no metro. É um drama psicológico, ao mesmo tempo perturbador e envolvente e impossível ficar indiferente.

Para Pikas, isto ainda é o início mas sente que no mercado PALOP ainda existe muito para ser explorado e que, ao mesmo tempo, existe uma certa limitação na música que é criada e reproduzida.

O artista quer aproveitar todas as oportunidades que conseguir com a música, quer fazer dela vida, apesar de saber que nem sempre será fácil, mas confia que é um acrescento na música feita em Portugal pelos Palop e está disponível para ouvir, melhorar e evoluir. Neste momento está no processo criativo para lançar a sua música mais recente, muito em breve.

Clica no player do podcast para poderes ouvir na íntegra a conversa com Pikas que originou este artigo.

Subscreve a nossa newsletter e fica a par de tudo em primeira mão!

PUB