PUB
Aldeia de Ima @Liliana Corona | RR
Aldeia de Ima @Liliana Corona | RR

Portugal: Duas famílias, do Uganda e Nigéria, povoam aldeia deserta e de forma auto-sustentável

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

Na região da Guarda, norte de Portugal, há uma aldeia deserta que há vários anos não passa dos 20 habitantes e não vê crianças a brincar ou a correr na rua. A realidade de Ima mudou com a chegada de duas famílias africanas àquela região.

A 16 quilómetros da cidade da Guarda, Ima viu chegar duas famílias de refugiados africanos, com quatro adultos e cinco crianças no total, que se instalaram por ali com o apoio do Projeto Lar.

De acordo com uma reportagem partilhada pelo canal SIC, as famílias de refugiados provenientes do Uganda e da Nigéria instalaram-se na povoação por meio da Associação de Migrantes e Refugiados, com sede no Porto. Através do Projeto Lar, foram angariadas terras e quatro casas devolutas que foram reconstruídas.

“Eram pessoas que estavam à procura de uma oportunidade, tinham gosto pelo meio rural e queriam instalar-se com a família de forma estável”, referiu Vanessa Rei, técnica social do projeto Lar.

O casal nigeriano, ela professora de língua gestual e ele de química, vão trabalhar no cultivo de um terreno com o apoio de um engenheiro agrónomo. “Todo o produto das colheitas vai ser drenado para uma grande superfície durante seis anos e isso garante um salário a cada uma das famílias, porque o objetivo é que tenham autonomia”, explicou Bárbara Moreira ao Jornal de Notícias, a ativista que está na génese do projeto.

“Por causa dos conflitos, fugimos para o Norte da Nigéria, depois para o Sul e, em 2017, viemos para Portugal”, contou Kelvin Alfolabi, o filho de dez anos. A família passou inicialmente por Lisboa, mas Kelvin explica que “aqui [em Ima] é mais social e mais livre do que Lisboa”.

Instalada numa outra casa, depois de ter passado pela Alemanha e por Lisboa, encontra-se uma família de cinco pessoas do Uganda. Fátima, uma bebé de sete meses, é o elemento mais novo e já nasceu em Portugal. “Tudo o que nunca tivemos ganhámos aqui. Temos uma casa, os meus filhos têm brinquedos, vão à escola e têm tudo o que precisam”, disse Karina Javaid também ao Jornal de Notícias. Kavaid é técnica de marketing.

“Temos o nosso quarto, jogamos à bola, damos uma volta na aldeia, apanhamos ar fresco e vamos à escola por isso estamos felizes”, partilhou Zahid Javain com 11 anos.

O projeto envolveu uma parceria com os habitantes da aldeia, que autorizaram a concessão de terrenos, e prevê ainda a integração de mais duas famílias, que vai assim duplicar a população da aldeia.

Relembramos-te que a BANTUMEN disponibiliza todo o tipo de conteúdos multimédia, através de várias plataformas online. Podes ouvir os nossos podcasts através do Soundcloud, Itunes ou Spotify e as entrevistas vídeo estão disponíveis através do nosso canal de YouTube.

Podes sugerir correções ou assuntos que gostarias de ler, ver ou ouvir na BANTUMEN através do email redacao@bantumen.com.

Subscreve a nossa newsletter e fica a par de tudo em primeira mão!

No Comment.

Artigos Relacionados

PUB