PUB
Pessoas
Pessoas esperam em uma plataforma dentro da estação ferroviária em Lviv, Ucrânia, em 27 de fevereiro | Foto: Bernat Armangue/AP

Portugueses afrodescendentes continuam retidos na fronteira da Ucrânia

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

Depois de vários relatos nas redes sociais darem conta de tratamento racista em relação aos refugiados afrodescendentes que tentam atravessar a fronteira entre a Ucrânia e a Polónia, na manhã desta segunda-feira, 28, começa a ser divulgado que jovens portugueses negros encontram-se na mesma situação.

Ana Maria Costa, mãe de um estudante português na Ucrânia, revelou à RTP, no programa Bom Dia Portugal, que o seu filho está há três dias sem abrigo e sem mantimentos, perto do posto fronteiriço ucraniano de Medyka-Shehyni.

“O meu filho Domingos José da Costa está na fronteira de Shehyni desde a noite de sexta-feira (…) em frente ao portão e [juntamente com os colegas] são impedidos pela guarda ucraniana de passar”, explicou revoltada Ana Maria Costa. “Os pretos e asiáticos, mesmo chegando àquela fronteira, não têm o direito de passar por serem pretos”, replica.

A progenitora indicou ainda que, tanto o filho como os colegas, foram “corridos com bastões”, para afastarem-se da fronteira e deixarem passar outros refugiados, sem que as autoridades verificassem os seus passaportes ou a declaração que lhes terá sido enviada pela embaixada portuguesa em Varsóvia.

“Os miúdos estão ao frio, à neve, sem comer sem beber há três dias”. Não obstante o contacto com o doutor Luís Cabaço, embaixador de Portugal em Varsóvia, que lhes enviou uma declaração por email a confirmar que eles são cidadãos portugueses, os guardas da fronteira ucraniana nem sequer olham para o passaporte que eles têm na mão e nem para a declaração”, sublinha.

A jornalista da RTP questionou Ana Maria Costa se esta teria imagens que pudessem confirmar as denúncias – embora nos últimos dias os vídeos e fotografias que denunciam racismo por parte das autoridades fronteiriças terem inundado as redes sociais e no Twitter a hashtag #AfricansInUkraine estar nas tendências das últimas horas -, a mulher explicou que o filho, bem como os colegas, estão há três dias à porta de ‘casa’, à porta da NATO, à porta da União Europeia e não conseguem vir para casa”.

Subscreve a nossa newsletter e fica a par de tudo em primeira mão!

PUB